Na tarde desta terça-feira (2), servidores municipais forçaram entrada na Câmara de Vereadores de Joinville durante protesto contra a reforma da Previdência da categoria.

O projeto foi enviado à Câmara pela Prefeitura de Joinville no dia 25 de janeiro, e começou a tramitar na Casa Legislativa na última segunda-feira (1º).

 

 

Com a implantação da reforma, a alíquota de contribuição para a previdência passaria de 11% para 14%. Já a idade de aposentadoria seria de 65 anos para homens e 62 para mulheres - hoje em dia, é de 60 e 55 anos, respectivamente.

Este tempo terá redução de cinco anos para os professores que comprovarem tempo de exercício efetivo das funções de magistério. Atualmente, os homens podem se aposentar aos 55 anos, enquanto as mulheres, aos 50 anos.

Presença de público vetada

A presença de público na Câmara havia sido vetada ontem (1º) pela Mesa Diretora em razão do agravamento da pandemia de Covid-19 no município.

Durante os protestos, o policiamento militar foi reforçado e, após conversa entre o presidente da Câmara, Maurício Peixer, e os servidores, ficou decidido que apenas três representantes do Sinsej (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região) poderão acompanhar as reuniões.