A Câmara Federal aprovou, por 263 votos a 144, o texto-base de projeto de lei que tona mais "flexíveis" as regras para o fundo eleitoral. A votação ocorreu na noite de terça-feira (3).

O partido Novo, único que não utiliza de verba pública para o financiamento de campanhas, chamou o projeto de “emenda Lula”, que permite aos partidos usarem do dinheiro do fundo para custear advogados para filiados que tenham problemas com a Justiça.

Indignado, o líder do Novo na Câmara Marcel Van Hattem, também criticou o fato do texto impossibilitar que o dinheiro recusado por uma legenda seja devolvido aos cofres públicos. A proposta de agora é que esta verba recusada seja dividida entre os demais partidos que utilizam o fundo eleitoral que por sinal irá de R$ 1,7 bilhão em 2018 para até R$ 2,5 bilhões para a campanha eleitoral de 2020.

A votação ocorreu horas depois de o governo admitir revisar para baixo, após constatar um erro, no valor de até R$ 3,7 bilhões para R$ 2,5 bilhões, que havia destinado ao fundo na proposta orçamentária enviada na última sexta-feira (30) ao Congresso.

“O Novo é contra usar dinheiro público para financiar partidos. E se o Novo recusar, esse dinheiro vai ser repartido entre as demais legendas. Isso é um absurdo, é um deboche”, criticou.

Van Hattem também declarou ser contra a autorização para que advogados sejam pagos com recursos do Fundo Partidário.

A matéria ainda receber a votação dos destaques nesta semana.

Confira o vídeo:

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger