O vice-prefeito de São Bento do Sul Marcio Dreveck (PP), foi preso preventivamente na segunda-feira (1º), suspeito de exigir vantagem indevida em função do cargo, conforme informou a Polícia Civil.

A Prefeitura de São Bento do Sul, emitiu na manhã desta terça-feira (2) uma nota oficial em que destaca que aguardará a apuração dos fatos e destacando que o vice-prefeito não ocupava nenhum outro cargo dentro da Prefeitura (confira no fim do texto a nota completa). O vice-prefeito foi procurado, mas não foi localizado e nem foi informado o nome do advogado de defesa dele.

Segundo o delegado Gustavo Muniz Siqueira, a investigação que envolve o vice-prefeito Dreveck de São Bento do Sul, começou há aproximadamente quatro meses, a partir de denúncias de recebimento de dinheiro referente à parte do salário de servidores comissionados indicados pelo vice para trabalhar na Prefeitura.

A Divisão de Investigação Criminal (DIC) de São Bento do Sul cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete do vice-prefeito, onde foram apreendidos R$ 1,7 mil.

De acordo com a Polícia Civil, o dinheiro teria sido recebido de um servidor como suposto pagamento do cargo comissionado. As notas que estariam com o vice estariam marcadas como forma de identificar o recebimento.  Dreveck foi preso, interrogado na delegacia e encaminhado ao Presídio Regional de Mafra. A Polícia Civil investiga a possibilidade de envolvimento de outros servidores envolvidos neste tipo de delito e que também devem ser ouvidos durante a semana.

Confira a nota completa emitida pela prefeitura:

NOTA OFICIAL

A Prefeitura Municipal de São Bento do Sul vem a público para informar que está acompanhando atentamente o desenrolar dos fatos que envolvem a apuração de supostos atos praticados pelo Vice-Prefeito da cidade.

O Poder Público Municipal informa que o Vice-Prefeito não ocupava nenhum outro cargo na Prefeitura e sua função baseava-se apenas em eventualmente substituir o Prefeito nos casos de férias ou afastamentos.

A Administração Municipal não tolerará condutas que, se comprovadas, comprometam a atuação ética, a dignidade da função pública e o compromisso da gestão em promover um trabalho de qualidade e pautado na eficiência, transparência e zelo com as pessoas e com o dinheiro público. Os casos pontuais devem ser analisados de forma isolada e certamente serão punidos com rigor.

A investigação vem sendo integralmente conduzida pelas autoridades competentes, a quem pertence a função de emitir juízo de culpabilidade ou não, após o devido processo legal, de modo que a Prefeitura, por meio de seus agentes políticos e servidores, colaborarão no que for preciso para combater eventuais transgressões apontadas.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger