A preocupação com a segurança pública esteve em pauta na agenda dos vereadores Richard Harrison e Fernando Krelling, ambos do PMDB, na cidade de Fort Lauderdale (Flórida), nessa quarta-feira (29). Em viagem aos Estados Unidos, com recursos próprios, os legisladores buscam informações também sobre atividades de contra turno escolar e políticas públicas. Na prefeitura da cidade norte-americana, os parlamentares foram recepcionados por Lee Feldmann (city Manager), Carl Williams (director for Recreation Department), Michael Gregory (Chief de Police) e Frank Sousa (captain Criminal Investigations Division). Na ocasião, aos vereadores foi demonstrado o “funcionamento” da cidade. “Conversa importante, que nos deu algumas ideias para implementação em projetos tanto para curto e médio prazo, dentro das esferas de responsabilidades. Exemplos e informações que queremos apresentar para a comunidade e unir esforços junto dos demais legisladores, inclusive estaduais e federais, para aplicá-las”, enfatizou Richard Harrison, que também é presidente da Comissão de Proteção Civil e Segurança Pública da Câmara de Joinville. As políticas públicas de segurança nortearam grande parte da reunião. Nos Estados Unidos há seis níveis de funções de hierarquia na polícia e as cidades são compostas de uma força policial.
Vereadores Fernando Krelling e Harrichan retornam esta semana da Flórida|Foto/Divulgação
O vereador destacou ainda os números que contribuem para uma segurança efetiva. “Em Fort Lauderdale não há registro de crianças fora da escola, consequentemente, menos pessoas procurarão a vida do crime. Eles têm 532 policiais, 160 mil habitantes e 52 quilômetros quadrados de área para perfazer a segurança. Em Joinville temos 598 policiais, 1400 quilômetros quadrados de área para se fazer policiamento e 600 mil habitantes. Eles estão a nossa frente, a polícia é visível na rua”, explicou. Outra diferença abordada, as atividades de segurança realizadas por policiais na hora de folga são consideradas legais nos Estados Unidos. O serviço extra é praticado com farda e carro oficial, no entanto o profissional é gerenciado pelo sistema de recursos humanos da polícia, inclusive com cadastro do local onde realiza o trabalho, valorizando o profissional. *Com informações da assessoria de imprensa