O vereador Jackson Ávila (MDB) deve intensificar o debate no Legislativo para a padronização dos preços cobrados pelos hospitais do município para exames como de ressonância magnética e tomografia.

Na terça-feira (19), os parlamentares aprovaram moção de sua autoria pedindo a equiparação.

Segundo o parlamentar, os valores cobrados em Jaraguá do Sul para os exames variam entre as duas entidades e, principalmente, em relação aos preços que seriam praticados em outros municípios.

Ávila diz que trabalha, junto com seu gabinete, no levantamento dos preços de todos os exames, comparando com outras cidades.

Entre os números já investigados, ele cita o exame de ressonância magnética, para o qual diz que já havia conseguido uma redução no preço ainda em 2017, de cerca de R$ 1,1 mil para R$ 480 depois de alguns meses de debate na Câmara.

 

Você conhece os podcasts do OCP?

Assine e receba novos episódios todos os dias

Apple Podcasts | Spotify | Soundcloud

 

No entanto, esse é o valor cobrado em um dos hospitais da cidade, enquanto a outra entidade cobraria R$ 880.

Além disso, o valor mais barato é apenas para os pacientes que têm a guia do SUS (Sistema Único de Saúde). Já para quem faz o exame particular, o montante cobrado é de R$ 580, conforme o parlamentar.

“Então, eu quero padronizar isso aí, até porque em outros municípios a ressonância custa aproximadamente R$ 360”, diz Ávila.

Outro exemplo é o exame de ecografia com doppler, que em Jaraguá do Sul teria o valor de R$ 340 e em outras cidades seria de R$ 160.

Valor social

O vereador também pretende debater a possibilidade de um valor social para exames como ressonância e tomografia, que têm custos mais altos.

Uma audiência pública deverá ser solicitada pelo parlamentar, para debater o assunto com as diretorias das entidades e também a população. Os preços cobrados nos estacionamentos também será uma das pautas do debate público.

O OCP procurou as assessorias dos hospitais para um posicionamento. A assessoria do Hospital e Maternidade Jaraguá informa que a diretoria não recebeu a moção aprovada pela Câmara, pedindo a padronização, e, portanto, ainda não iria se posicionar sobre o tema.

A assessoria do Hospital São José informa que o diretor participava de reunião durante a tarde desta quarta-feira (20) e não conseguiu contato até o fechamento da edição.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?