Estacionamento rotativo sempre gera polêmica e em Jaraguá do Sul não é diferente. Nesta semana, durante sessão na Câmara, o vereador Ronaldo Magal (PSD), indicou a isenção de pagamento no parquímetro em horário de almoço.

Magal ressalta que já havia feito uma indicação nesse sentido no dia 4 de setembro de 2018 e retomou o assunto após perceber que o Jaraguá do Sul Park Shopping não cobra o estacionamento para quem vai almoçar no local.

O parlamentar alega que essa medida vai facilitar para os pais de alunos que vão buscar ou levar seus filhos na escola, pessoas que precisam pagar uma conta ou simplesmente almoçar.

"Vai facilitar para o comércio também, por que as pessoas irão fazer as coisas mais tranquilas, sem pressa e vão ter mais tempo para visitar as lojas", alega.

Segundo Kátia Cristina Ramos, supervisora operacional da Hora Park, empresa que administra o sistema rotativo em Jaraguá do Sul, o estacionamento começou a ser cobrado no município principalmente por pedidos dos próprios lojistas.

"Antes [da rotatividade], esses funcionários de lojas e estabelecimentos comerciais acabavam usando as vagas de estacionamento. Quando os usuários e clientes queriam utilizar, nunca tinha vaga", destaca.

Ela disse que entende o vereador pedir a indicação, mas ressalta que é preciso fazer um estudo antes para ver todos os lados. "Quando tentamos tirar o estacionamento rotativo de alguma rua, sempre recebemos reclamação. Não da para agradar todo mundo", completa.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Todos os dias, por volta das 11h30, o corretor de seguros, Cláudio Piazera, de 54 anos, estaciona o carro na Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, paga o ticket de estacionamento e espera a sobrinha de 10 anos sair da escola. Ele acredita, a taxa não deveria ser cobrada em horário de almoço ou ter um limite de tempo.

"Eu só paro por no máximo 20 minutos e tenho que pagar. Se eu venho mais tarde não tem vaga para estacionar", confessa.

De acordo com Kátia, foram disponibilizados vagas de embarque e desembarque para os pais levarem e buscarem seus filhos nas escolas. Ela diz que quando o usuário chega mais cedo e para na vaga por mais tempo, vai ser cobrado.

"O shopping é um local privado o estacionamento rotativo é público. Não da para comparar", enfatiza.

A supervisora operacional também explicou a reclamação de alguns motoristas, que alegam colocarem dinheiro a mais para pagar o estacionamento, mas não recebem troco, mas sim horas a mais para ser usado.

Ela diz que o sistema de Jaraguá do Sul não é fracionado ou acumulativo, por isso uma pessoa que pagar uma hora de estacionamento e ficar apenas 40 minutos, não terá ressarcido os 20 minutos que não utilizou.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?