Em sessão ordinária na Câmara de Vereadores desta quinta-feira (19), o vereador Anderson Kassner apresentou um apelo às autoridades estaduais para que busquem alternativas para amenizar as dificuldades pelas quais passam os produtores de arroz catarinenses.

A classe dos rizicultores atravessa um momento de crise. O custo para produção aumentou, assim como os implementos agrícolas, que são equipamentos acoplados ao maquinário para cultivo do arroz. Ainda, fatores climáticos, variação cambial e o aumento exponencial do combustível são fatores que complicam a vida do produtor rural.

Segundo o parlamentar, todos esses fatores criam forte sensação de inquietude, receio e insegurança ao agricultor, de forma que o custo para produzir ultrapassa o preço de venda do produto. Com a inviabilização da atividade, não se exclui a ideia de um auxílio permanente aos arrozeiros.

“Peço um olhar especial com os rizicultores da nossa região que sofrem sempre com o preço da saca. Muito baixo. Não paga nem o valor dos custos e, se não fizer alguma coisa diferente e urgente, eu não sei se eles vão conseguir continuar por muito tempo a plantar a nossa comida”, reivindicou.

A Casa de Leis de Jaraguá do Sul aprovou por unanimidade a Moção do Apelo proposta por Kassner, que será encaminhada à pasta estadual da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, chefiada pelo secretário Ricardo Miotto, assim como ao Ministério Agricultura. São solicitadas providências que amenizem as dificuldades enfrentadas pelo setor no estado de Santa Catarina.

Alimento é essencial nas mesas e aos cofres públicos

O arroz é um produto importantíssimo na cadeia alimentar do brasileiro. Dado o balanceamento nutricional e o fato de ser uma importante fonte de carboidratos, ele está historicamente ligado à alimentação diária..

Santa Catarina ainda é o segundo maior produtor de arroz irrigado do país, com mais de 150 mil hectares. Em 2020, ano considerado normal para o segmento, o valor da produção chegou a mais de 1,2 milhões de reais.

A atividade é responsável pelo sustento de aproximadamente 5 mil famílias, com mais de 30 mil catarinenses distribuídos em 93 municípios.