O corte de árvores executado pela Prefeitura de Criciúma, na Praça da Chaminé, no bairro Próspera, foi assunto de requerimento apresentado na sessão do Legislativo da cidade desta terça-feira.

Em documento apresentado, o vereador Júlio Kaminski (PSDB) solicita ao Município que envie o nome catalogado de cada espécie de árvore cortada e ainda o nome do responsável técnico que assinou o laudo e autorização para o corte.

O corte das árvores gerou bastante polêmica.

Vereador Júlio Kaminski (PSDB) é o autor do requerimento/Foto: Divulgação Câmara Criciúma

A comunidade do bairro Próspera informou que, em nenhum momento, foi comunicada da ação, que ocorreu no último sábado e ganhou as redes sociais.

A Prefeitura de Criciúma emitiu uma nota de esclarecimento no dia seguinte.

Relembre

O Governo de Criciúma, por meio da Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (Famcri), esclarece que, devido ao risco de queda, árvores da espécie eucalipto, que estavam podres, foram extraídas da Praça da Chaminé, no bairro Próspera.

Os eucaliptos são árvores exóticas, não pertencem à flora natural da região de Criciúma e poderiam, na Praça da Chaminé, causar danos aos moradores e às 350 crianças do Centro de Educação Infantil (CEI) da Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc), que será inaugurado neste mês no local.

O governo municipal informa, ainda, que árvores nativas da espécie ipê-amarelo e ipê-rosa serão plantadas na Praça da Chaminé a partir dos próximos dias.

A Prefeitura de Criciúma também revitalizará o paisagismo da praça e modernizará o sistema de iluminação pública com a instalação de lâmpadas de LED, que proporcionará mais conforto e segurança aos munícipes que frequentam o local.

A Administração Municipal reitera que o corte dos eucaliptos foi fiscalizado por profissionais da Famcri e que, no município de Criciúma, de acordo com a lei municipal n° 7.245, de 28 de junho de 2018, em casos de cortes de árvores das espécies eucaliptos e pinus, não é necessária a obtenção de autorização junto ao órgão ambiental municipal, exceto quando se tratar de Área de Preservação Permanente (APP), Área de Proteção Ambiental (APA) ou Zona de Área de Proteção Ambiental (Z-APA).