Sindicato informa que qualquer decisão sobre os rumos do movimento será tomada somente após nova assembleia.   O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sinsep) informa que deve ingressar com recurso contra a decisão do relator do Tribunal de Justiça (TJ), desembargador Cid Goulart, que considerou a greve ilegal determinando o retorno ao trabalho em 48 horas, e que qualquer decisão sobre os rumos do movimento dos servidores de Jaraguá do Sul será tomada somente após nova assembleia da categoria, a ser convocada em breve.
Concentração na praça
Servidores em greve e manifestantes contra a reforma da Previdência Social se concentraram na manhã desta quarta (15) na praça Ângelo Piazera | Foto: Facebook do Sinsep
  O presidente do Sinsep, Luiz Cezar Schorner, informou que por enquanto estão mantidas as ações de greve. Tanto que na manhã desta quarta-feira, os cerca de 2.500 servidores que aderiram à greve se uniram os servidores do Correios e demais trabalhadores da cidade e região para uma manifestação que percorreu as ruas centrais e teria, segundo cálculos da Polícia Militar, reunido 5.000 pessoas, em ato pelo Dia Nacional de Lutas contra Reforma da Previdência. Schorner também enfatizou que considera uma vitória a retirada, pelo Executivo, dos Projetos de Lei Complementar 8/2017, que previa o fim da progressão de letra, e 10/2017, que extinguia os triênios. Durante a sessão da Câmara de terça (14), o vereador Arlindo Rincos ainda pediu vistas ao Projeto de Lei 6/2017 que acaba com a gratificação do programa EFS (Estratégia Saúde da Família). Em relação à aprovação, por seis votos favoráveis e quatro contrários, do Projeto de Lei Ordinária 5/2017, que prevê o corte do FGTS e pós-graduação dos ACTs (Admitidos em Caráter Temporário), o sindicato busca uma alternativa para reverter a votação e lamenta a posição dos vereadores que votaram contra os servidores. Na sessão desta quinta-feira (16) voltam à pauta de votações da Câmara o PLC 06/2017, o Projeto de Lei 24/2017, que prevê o fim do Adicional de Aperfeiçoamento e Atualização dos Profissionais da Educação (Adapat), e o Projeto 26/2017, que altera os critérios de pagamento do auxílio refeição.