70% dos candidatos a deputado estadual em Santa Catarina nunca tiveram um cargo eletivo.

É o que apontam os dados disponibilizados pelo Sistema de Divulgação de Candidaturas e de Prestação de Contas Eleitorais (DivulgaCandContas 2022) do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base em levantamento realizado pela Agência de Notícias da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Agência AL).

Até 16 de setembro, das 597 candidaturas aptas à Alesc, 420 eram de mulheres e homens que nunca tiveram um mandato, ou seja, nunca foram eleitas para o Legislativo ou o Executivo, nas três esferas de governo (União, Estado e Município), o que equivale a 70,3% do total de candidatos.

O levantamento não considera casos de candidatos que ocuparam cargos públicos, como secretários municipais ou estaduais, diretores ou presidentes de fundações ou autarquias, ou ainda foram assessores legislativos. Também não foram considerados os suplentes de vereadores que disputam as eleições para a Alesc.

Se tais condições fossem levadas em conta, a porcentagem de candidatos que nunca teve contato com cargos públicos seria menor.

Entre os postulantes à Assembleia, 194 vão disputar pela primeira vez uma eleição, o que equivale a 32,5% dos candidatos. Todos os demais já têm experiência nas urnas, seja em eleições estaduais ou municipais.

Nas eleições deste ano, 65 vereadores concorrem a uma cadeira no Legislativo estadual. Para esse levantamento, foram considerados apenas os parlamentares municipais que são detentores do mandato. Os suplentes de vereador que estão no exercício do cargo não estão nessa relação.

Blumenau, Florianópolis, Joinville e Itajaí são os municípios com maior número de vereadores na disputa: quatro, cada.

A transição direta da câmara municipal para a Alesc é encarada como algo natural na ascensão da carreira política de mulheres e homens públicos. Na história da Assembleia, há alguns casos de deputados que são eleitos ainda quando estão no exercício da vereança. Isso ocorre com mais frequência nos maiores municípios do estado. Em 2018, por exemplo, três vereadores, um de Blumenau, um de Joinville e outro de Florianópolis, foram eleitos deputados estaduais.

Há, ainda, 33 ex-prefeitos, de 30 cidades diferentes, que se candidataram para a eleição na Alesc. Quatro deles estavam no exercício do mandato e renunciaram no início deste ano para estarem aptos à disputa eleitoral. Não estão incluídos os casos dos deputados que buscam a reeleição. Caso contrário, o número de ex-prefeitos na disputa sobe para 41.

A eleição para a Assembleia também conta com oito vice-prefeitos.

Profissões
Os empresários são a maioria entre os candidatos a deputado estadual. Dos 597 concorrentes, 108 se declararam empresários à Justiça Eleitoral.

A ocupação “Outros” aparece na sequência, com 73 candidatos. Advogados, com 64 postulantes, e professores, com 41 candidaturas, também se destacam entre as profissões.

Experiência política

  • 597 candidatos estavam aptos para a disputa na Alesc até 16 de setembro
  • 27 tentam a reeleição (dois a menos de 2018)
  • 561 tentam conquistar, pela primeira vez, um mandato na Alesc
  • 11 já exerceram mandato na Assembleia na condição de suplentes
  • 420 nunca tiveram mandato, ou seja, foram eleitos para um cargo
  • 65 vereadores de 36 municípios são candidatos à Alesc
  • 41 já foram prefeitos, em 38 cidades diferentes
  • 8 são atualmente vice-prefeitos