Em assembleia geral extraordinária nesta quinta-feira (27), os cerca de 500 servidores públicos municipais de Jaraguá do Sul que compareceram decidiram manter o estado de greve, instalado desde o dia 6 deste mês, quando a categoria resolveu suspender a greve de 32 dias. O presidente do sindicato da categoria, Luiz Cezar Schorner, afirma que no momento a avaliação da classe é de que não há força para a retomada da greve, em razão, sobretudo, da “forma truculenta” com que o governo estaria tratando os servidores paredistas, que estariam sendo alvo de retaliações pela administração municipal. Contra 20 deles foram abertos processos disciplinares administrativos. Porém, Schorner afirma que a categoria se mantém mobilizada para tentar abrir um canal de negociação com a administração, tentando obter a reposição salarial da classe, que tem data-base em abril e recebeu proposta zero de reajuste, sem nem mesmo ser considerada a possibilidade de reposição da inflação. O Sinsep também conversa com a categoria para “construir um possível retorno da greve”, o que pode ocorrer caso o movimento sinta que há forças para a deflagração da greve.