servidores na sessão
Manifestações silenciosas por parte de servidores, acompanhados de perto por seguranças, marcaram a sessão da Câmara desta quinta-feira (23) | Foto: Eduardo Montecino
Em contraste com a sessão legislativa de terça-feira (21) passada, a mais tumultuada desde que o pacote de cortes do governo ao funcionalismo público começou a tramitar na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, nesta quinta-feira a reunião foi acompanhada com o silêncio dos manifestantes. Na pauta de votação, apenas projetos administrativos e poucas indicações, para limpezas, reparos e instalação de áreas de lazer. Concentrados desde o início da manhã em frente à Câmara, usando fitas que cobriam as bocas, simbolizando mordaças, os servidores públicos em greve presentes na sessão demonstraram sua indignação com as medidas de segurança adotadas pelo Legislativo, como acesso ao plenário somente com identificação, proibição de materiais ruidosos e determinação de esvaziamento imediato do plenário assim que for encerrada a sessão. - Leia mais: Câmara aprova projetos do pacotes de cortes sob protestos de servidores - Os servidores também repudiam a aprovação dos projetos que cortam o FGTS e o adicional de pós-graduação dos servidores temporários (ACTs) e o que cria faixas distintas para concessão do auxílio-refeição, cortando o benefício para salários acima de R$ 4 mil. A categoria também acompanha a tramitação de outros dois projetos do pacote ainda pendentes por questões judiciais: o que retira as funções gratificadas dos servidores da Estratégia Saúde da Família (ESF) e o que corta o adicional por aperfeiçoamento e atualização do magistério.