Por maioria de votos, os deputados estaduais aprovaram na quarta-feira (13), o Projeto de Lei de autoria de Sargento Lima (PSL), que reconhece o transporte coletivo urbano e intermunicipal como essencial em Santa Catarina, mesmo em períodos de calamidade, emergência, pandemia ou epidemia. A proposta segue para análise do governador Carlos Moisés (PSL).

A retomada do transporte coletivo em SC já vem sendo cogitada pela Secretaria de Estado da Infraestrutura que fez um estudo sanitário com novos protocolos de segurança em saúde para que o retorno do serviço aconteça em breve, porém, o governo ainda espera o aval da Secretaria de Estado da Saúde. Alguns critérios são essenciais para a retomada do transporte público, como a conscientização do usuário, para que a medida não comprometa a saúde dos usuários.

A Canarinho, concessionária que presta serviço de transporte público nos municípios de Jaraguá do Sul e região vê a medida com bons olhos, já que, segundo o gerente administrativo Diego Bogo, vários setores já retornaram as atividades com medidas sanitárias e cumprindo determinações de funcionamento.

“O sistema de transporte já é, através da constituição federal, denominado como essencial, e a Alesc só veio reforçar. Também entendemos que essa atividade é primordial e oportuniza a retomada social e alavancagem das atividades econômicas dos municípios. As pessoas precisam ter condições para se deslocar” afirma Bogo.

Queda na arrecadação e demissões marcam a quarentena

Com o serviço de transporte paralisado há cerca de 60 dias, por causa do decreto de restrição de circulação emitido pelo governo do Estado por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a Canarinho teve queda de 94% na arrecadação. Isto se deve porque a atividade principal da empresa é o transporte coletivo urbano das cidades de Jaraguá e Guaramirim.

De acordo com o gerente administrativo Diego Bogo, não diferente das demais empresas, há um custo fixo operacional e econômico a ser mantido e preservado.

"Vamos necessitar de fôlego para retomada do serviço, e como concessionária, precisamos de uma atenção especial por parte dos poderes públicos" ressalta.

Até o momento a empresa desligou 42 colaboradores, entre as garagens de Jaraguá do Sul e Guaramirim. Segundo Bogo, juntamente com sindicato da categoria, um acordo coletivo foi feito inicialmente, porém no mês passado a concessionária aderiu ao programa do governo federal (MP 936) que permite a suspensão temporária do contrato de trabalho e redução de salário e jornada.

 

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul