O deputado líder da bancada do PL na Alesc, Ivan Naatz, avaliou que a repercussão da reforma da previdência dos servidores públicos, aprovada na última quarta-feira (4), terá forte impacto social entre os servidores e pensionistas mais pobres.

"O governo escolheu o lado mais fraco para fazer uma nova reforma e só avançou mesmo entre os salários menores, uma espécie de confisco, enquanto os altos salários permanecem sem alterações", afirmou Naatz que votou contra a reforma, observando ainda que os servidores não têm culpa da má gestão dos recursos previdenciários do Estado nos últimos anos.

Para o parlamentar, a reforma era necessária para promover um definitivo equilíbrio nos cofres públicos eliminando o déficit histórico da previdência estadual, após sucessivas reformas nos últimos 13 anos. Mas acredita que havia a necessidade de ampliar o diálogo com os servidores em busca de mais alternativas e compensações salariais já que não foi a categoria a principal causadora deste desequilíbrio financeiro.

"Os cálculos indicam que a economia mensal do governo da ordem de R$ 25,6 milhões deverá sair do contracheque de 39 mil aposentados que ganham menos de R$ 6,4 mil e que agora vão ter descontos de 14% em seus salários", observou Naatz, acrescentando que essa nova realidade causará forte impacto social entre as famílias de milhares de aposentados e pensionistas.

O deputado afirmou ainda que, ao não atender as principais reivindicações do segmento da Polícia Civil na reforma, o governo acabou aprofundando as divisões que já existem com a Polícia Militar. "O que poderá ter reflexos negativos no bom trabalho e atuação do setor de segurança pública no estado daqui para a frente".


*Comunicação Gabinete