O secretário de Saúde do Estado, Vicente Caropreso, que preside o PSDB em Jaraguá do Sul, usou as redes sociais nesta segunda-feira (27) para falar sobre a greve dos servidores municipais. O tucano alegou que na condição de gestor de uma secretaria estadual não pode levantar bandeira que interfira na administração de qualquer município, porém, fez um questionamento dando a entender desconforto com toda situação. “Me permito perguntar: uma eventual vitória do Executivo na Câmara melhoraria o nível do serviço de saúde? Melhoraria a educação e o atendimento ao cidadão em geral? Ou melhorariam apenas os números por algum tempo? Jaraguá do Sul é uma ilha de qualidade, onde o serviço municipal se notabilizou por sua excelência. Não podemos perder este alto nível”, defendeu.    Irineu Pasold em Corupá Um até logo a Irineu Pasold Da esquerda para direita, a gerente de Saúde de Corupá, Jéssica Pereira, Irineu Pasold, a nova secretária de Saúde de Corupá, Giovana Odvazny, e o prefeito João Carlos Gottardi. Pasold se despediu temporariamente do cargo de secretário para assumir como vereador em Jaraguá do Sul. No até logo, Gottardi destacou que Irineu Pasold tem realizado um excelente trabalho no município e disse que espera contar com o retorno do tucano em breve.   “Jaraguá do Sul não merece isso” Irineu Pasold toma posse hoje na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul na condição de primeiro suplente do PSDB. A posse se dá em função do afastamento para tratamento de saúde do correligionário Ademar Winter. Esta é a primeira vez que Pasold, que foi prefeito do município entre 1999 e 2004 e vice entre 2009 e 2012, assume uma cadeira de vereador. Segundo ele, o momento político enfrentado no município foi a razão que o fez pedir exoneração do cargo de secretário de Saúde de Corupá. Sobre as medidas de contenção de gastos do governo Antídio Lunelli e a greve, o tucano diz que ainda precisa se inteirar de toda a situação, mas é categórico ao sugerir que é preciso abrir mão de radicalismos na busca pelo fim do impasse. O que o motivou a assumir o mandato? Jaraguá do Sul está passando por um momento crítico. Creio que com a minha experiência posso colaborar para o fim desse impasse. Jaraguá do Sul não merece isso que está acontecendo, é uma greve histórica, a comunidade está sendo prejudicada e a Câmara de Vereadores tem papel importante na busca por uma solução. Qual será o seu posicionamento político no período em que substituirá Ademar Winter? Não chego como oposição nem como situação. Existem medidas, cortes necessários, outros não. Eu vou me inteirar sobre tudo até amanhã. Em relação aos cortes já aprovados, o fim do FGTS para os temporários, e a criação de diferentes faixas do vale-alimentação, qual a sua leitura? O FGTS dos temporários é uma questão que foi revisada no Brasil inteiro. Poucos municípios ainda pagam. Mas em relação ao vale-alimentação, vejo problemas. No serviço público existe uma regra que precisa ser respeitada, que é a isonomia. Com a mudança, o governo pode estar criando uma demanda judicial que terá que ser paga lá na frente. O vale-alimentação foi criado no meu governo, depois sofreu alterações. O governo está sendo radical em algumas questões e isso não vai ajudar em nada, não vai acabar com o impasse. Enquanto Winter foi contra todas as medidas do pacote de cortes, o outro vereador do PSDB, Dico Moser, votou favorável a algumas. O PSDB não terá um posicionamento? Não vou comentar a questão do Dico. Ele interpretou dessa maneira. Mas o PSDB deve ter uma linha de pensamento, sim. - Leia mais: Patricia Moraes – Grevistas e administração municipal mantêm impasse e movimento continua