Um bolo de aniversário geralmente remete a felicidade, mas na manhã desta quarta-feira (5) foi diferente. O vereador de Jaraguá do Sul, Marcelindo Gruner (PTB) organizou um protesto no local do deslizamento da SC-108, em Guaramirim, que aconteceu na madrugada do dia 18 de fevereiro.

Com direito a bolo de aniversário e velas demarcando os 108 dias esperando por uma solução dos governos estadual e federal, o ato reuniu cerca de 30 pessoas - diversos representantes da política do Vale do Itapocu e moradores afetados pela interdição da rodovia.

Gruner destaca que os R$ 3 milhões, recurso estimado para recuperação da SC-108, é um valor pequeno perto do que a região gera de recursos e impostos ao Estado.

"Não viemos comemorar, é o contrário. Estamos nos manifestando e repudiando a inoperância do governo do Estado em relação a esse trecho da SC-108", enfatiza.

Apesar de ser vereador jaraguaense, Eugênio José Juraszek (PP), salienta que foi ao protesto para representar a classe empresarial, já que ele é empresário.

Segundo Juraszek, o objetivo do ato é mostrar a força da região e a urgência da obra. "A logística não está funcionando e a matéria prima está demorando para entrar nas empresas. Isso causa um grande prejuízo para todos", destaca.

Com tom de ironia, Gruner trouxe um bolo para o aniversários dos 108 dias do deslizamento | Foto Eduardo Montecino/OCP News.

O vereador comenta que toda a carga pesada que costumava passar pela rodovia está transitando em ruas jaraguaenses e na área rural de Guaramirim, que não tem estrutura para suportar veículos desse porte.

Na manhã de ontem (5), um acidente na rua Anélio Nicoceli, em Guaramirim, causou um congestionamento de cinco quilômetros naquela rua e no trecho liberado da SC-108, tornando o trânsito ainda mais complicado.

O presidente da Câmara de Vereadores de Guaramirim, Osny Bylaardt (MDB), pediu empenho dos deputados federais Carlos Chiodini (MDB) e Fábio Schiochet (PSL) para seguir cobrando agilidade do Governo Federal.

Recursos e futuro das rotas de escape

O prefeito de Guaramirim Luis Antônio Chiodini (PP), também marcou presença no protesto e fez questão de ressaltar que nesta terça-feira (4), a quantia de aproximadamente R$ 3 milhões para recuperação da SC-108 foi empenhado em Brasília.

Prefeito de Guaramirim marcou presença no protesto | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Segundo informações do secretário de Defesa Civil de Santa Catarina João Batista Cordeiro Júnior, a expectativa é que os projetos fiquem prontos em torno de 20 dias. O prefeito diz que "ainda existem questões como pré-projeto, sondagem, topografia e o projeto completo", conta.

Enquanto a rodovia não é recuperada, as estradas usadas como rotas de escape continuam se deteriorando. O prefeito aponta que encaminhou para a Defesa Civil do Governo Federal uma solicitação de R$ 400 mil para recuperar e melhorar a qualidade das estradas e a resposta foi rápida.

"Já recebemos que vai ser negada. Não pudemos nem ter esperança de ajuda na área de infraestrutura", lamenta.

 

Poucos moradores no protesto

O agricultor aposentado, João Pereira, 74 anos, foi um dos poucos moradores próximos ao local do deslizamento que participou do ato. Além de reclamar da falta de atenção do governo estadual, ele ressalta os pontos que mais está sendo afetados.

"A gente depende da estrada [SC-108]. Tenho netos que estudam na área central de Guaramirim e precisam dar uma volta gigante para chegar na escola. Minha filha precisa sair mais cedo de casa para não se atrasar no trabalho" diz.

Pereira também percebeu a falta de moradores da comunidade no protesto. Ele acredita que as pessoas afetadas com a interdição da rodovia deveriam se movimentar e participar de atos como o ocorrido nesta quarta-feira.

Para Gruner, a pouca presença dos moradores é devido a falta de esperança que eles têm no atual governo do Estado. "O povo não acredita mais. Isso é normal, eu também não acreditaria mais", concluí.

Gruner liderou o protesto desta quarta-feira (5) | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Roberta da Silva, de 29 anos, passava com sua bicicleta no local do deslizamento e, com olhar de esperança, perguntou aos participantes do protesto: "quando que vão arrumar isso aí?" Com sentimento de indignação, ela não vê o momento que tudo estiver resolvido.

"Não conseguimos mais chegar no Centro [de Guaramirim]. Estamos gastando muito mais gasolina, perdendo mais tempo na estrada", destaca.

Quer receber as notícias no WhatsApp?