O Projeto de Lei de Tração Animal de autoria da vereadora Ana Rita (PROS) acaba de ser aprovado em plenário na Sessão Ordinária desta segunda-feira (11) por 10 votos a favor e cinco ao contrário. Agora o projeto vai para segunda votação nesta quarta-feira (13) e depois encaminhado ao prefeito Udo Döhler para ser sancionado e virar Lei. Apenas os vereadores Rodrigo Coelho (PSB); Wilson Paraiba (PSB);  Mauricinho Soares (PMDB); Ninfo  König (PSB) e Natanel Jordão  (PSDB) votaram contra. Os vereadores Fernando Krelling, presidente das casa (PMDB), Pelé (PR)  e Rodrigo Fachini (PMDB) não estavam no plenário. Agora o projeto vai para segunda votação e depois encaminhado ao prefeito Udo para ser sancionado e virar Lei. “Estou super feliz que o projeto passou, precisava da maioria absoluta de votos favoráveis por ser Projeto de Lei Complementar. Durante toda a sessão houve uma movimentação em função de uma emenda que teria sido protocolada e que teve alguns problemas, mas passou meu projeto nesse primeiro turno. Estou extremamente feliz e grata a todos os vereadores que acreditaram que Joinville precisa mudar e que não podemos ter animais puxando carroça no centro e nos bairros da cidade, aonde existe asfalto, neste sol e sem água”, comemora a vereadora Ana Rita. A partir do momento que virar Lei, quem ainda utiliza cavalos (assim como outros equídeos, tais como asnos e mulas), no perímetro urbano, terá dois anos e seis meses para se adaptar (a lei levará seis meses para entrar em vigor) “Estou super feliz que o projeto passou, precisava da maioria absoluta de votos favoráveis por ser Projeto de Lei Complementar. Durante toda a sessão houve uma movimentação em função de uma emenda que teria sido protocolada e que teve alguns problemas, mas passou meu projeto nesse primeiro turno. Estou extremamente feliz e grata a todos os vereadores que acreditaram que Joinville precisa mudar e que não podemos ter animais puxando carroça no centro e nos bairros da cidade, aonde existe asfalto, neste sol e sem água”, comemora a vereadora Ana Rita. A partir do momento que virar Lei, quem ainda utiliza cavalos (assim como outros equídeos, tais como asnos e mulas), no perímetro urbano, terá dois anos e seis meses para se adaptar (a lei levará seis meses para entrar em vigor)