As principais realizações do Poder Judiciário catarinense nos últimos dois anos foram analisadas pelo presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), desembargador Rodrigo Collaço, nesta terça-feira (17), em entrevista coletiva na sede da Associação Catarinense de Imprensa (ACI), em Florianópolis. Denominado "Dia Estadual de Prestação de Contas", o encontro teve ainda a participação do presidente da ACI, Ademir Arnon de Oliveira; e o presidente eleito do TJSC, desembargador Ricardo Roesler.

Collaço destacou iniciativas voltadas à otimização de recursos e à modernização da administração. Dados da produtividade dos magistrados, que alcançou recordes e patamares inéditos no período, foram detalhados aos jornalistas. A população que recorre à Justiça, observou o presidente, espera uma solução rápida aos seus casos. Assim, todos os esforços foram concentrados de forma a reduzir esse tempo de espera.

Collaço fez um levantamento de suas ações | Foto Divulgação/TJSC

"É uma gestão que não é minha apenas. Foi uma administração bastante compartilhada. Nos esforçamos muito, lutamos muito. E agora, para a felicidade de todos nós, chegamos ao final da caminhada com muita alegria e a sensação de ter feito o melhor possível", manifestou Collaço.

Sistema eproc

Um relatório com estatísticas do Judiciário, informações sobre ações sociais e medidas adotadas no combate à violência foi disponibilizado digitalmente para a imprensa. Uma versão mais abrangente do documento será compartilhada com os desembargadores do TJSC em janeiro.

O presidente Rodrigo Collaço também avaliou temas atuais da Justiça brasileira, os desafios do sistema prisional, a atuação da imprensa na cobertura do Judiciário e posições da gestão em relação ao duodécimo e às devoluções de verbas para o Estado.

Evento foi realizado na sede da ACI | Foto Divulgação/TJSC

Collaço esclareceu também o fim do impasse envolvendo o sistema eproc, que já foi definitivamente implantado em Santa Catarina. "O impasse está resolvido. Fizemos um acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o próprio Supremo decidiu nesta segunda-feira (16) que faz parte da autonomia do Tribunal escolher seu sistema, o que reforça ainda mais nossa disposição pela utilização do eproc", afirmou.

Continuidade e aproximação

Já o desembargador Ricardo Roesler enalteceu as conquistas da atual gestão e reforçou a intenção de dar continuidade aos trabalhos a partir de 31 de janeiro.

"Presenciamos a prestação de contas de um trabalho muito eficiente e inovador. Por isso mesmo, é desafiador para a nossa administração dar sequência, impulso e continuar com esse trabalho. É o que nós pretendemos, com informação, integração e inovação. São três eixos que norteiam a nossa administração e que irão basear todas as nossas ações", anunciou Ricardo Roesler.

Ricardo Roesler (D) será o futuro presidente do TJSC | Foto Divulgação/TJSC

Em nome da ACI, o presidente Ademir Arnon de Oliveira parabenizou a aproximação contínua entre o Judiciário e a imprensa de todo o Estado.

"Esse exemplo do presidente do Tribunal de Justiça deveria ser seguido. O Judiciário catarinense tem dado uma demonstração de credibilidade e respeito com a imprensa de Santa Catarina, o que para nós é motivo de muito orgulho. Esta casa estará sempre à disposição de todos vocês", afirmou Ademir Arnon de Oliveira.

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul

Facebook Messenger