Sindicalista afirma que, se não houver proposta, funcionários votarão greve - Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Sindicalista afirma que, se não houver proposta, funcionários votarão greve - Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
A Prefeitura de Jaraguá do Sul deve formar uma comissão para avaliar alternativas que possibilitem a concessão de reajuste salarial aos servidores municipais. Com o comprometimento da folha de pagamento em 51,77%, próximo ao limite de 54% estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, a administração afirma que serão necessários cortes para viabilizar qualquer aumento.
“Não queremos causar uma ruptura, não é só uma questão de vontade. Temos que esclarecer os números não só com os servidores, mas com toda a sociedade jaraguaense porque estamos no limite para não sacrificar serviços”, apontou o secretário da Fazenda, Ademar Possamai.
Os servidores convocaram, por meio do Sinsep (Servidores Públicos Municipais de Jaraguá do Sul e Região), uma assembleia na próxima terça-feira (29) em frete à Prefeitura. Até lá, o presidente do sindicato, Luiz Schorner, diz aguardar uma proposta ou será deliberada a adesão à greve.
Para Schorner, mesmo com a impossibilidade legal que conceder os 3% de aumento real, que foi pedido pelos servidores, a administração deveria ter apresentado contraproposta. “Com 4% ficaria dentro do limite, municípios em situação pior vão conceder reajuste. Cabe a administração achar a alternativa”, rebateu.
Segundo Possamai, concedendo um aumento real de 4%, os gastos com funcionários ficariam em 53,8% e qualquer diminuição na arrecadação poderia elevar o índice de comprometimento. “Seria correr um risco, poderemos avançar analisando cortes envolvendo funções gratificadas, ACTs (admitidos em caráter temporários e comissionados”, finalizou.