Foto Divulgação | Com informações do jornal Valor Econômico  Alvo de um pedido de prisão preventiva, Andréa Neves, irmã do senador Aécio Neves, foi presa nesta quinta-­feira (18) pela Polícia Federal (PF), na cidade mineira de Brumadinho. A informação é de uma fonte na Procuradoria ­Geral da República (PGR). Ela teve prisão preventiva decretada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava ­Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). A prisão foi pedida pela PGR para afastar o risco de Andréa interferir nas investigações. Agentes da PF não localizaram Andréa na casa dela, em Copacabana, no Rio de Janeiro. O apartamento dela foi aberto com a ajuda de um chaveiro. Os policiais cumpriram mandado de busca e apreensão no local. Foram apreendidos documentos e um laptop, de acordo com um investigador. Também foram realizadas buscas nos endereços de Aécio e de Altair Pinto, no Rio. Pinto seria operador do ex-­deputado federal Eduardo Cunha (PMDB —RJ), preso e processado criminalmente por corrupção e lavagem de dinheiro. As ações que contabilizam 40 mandados de busca e apreensão em Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte são resultado das investigações resultantes da delação premiada dos sócios da JBS, Joesley e Wesley Batista, e de diretores do grupo empresarial. Eles afirmaram que o presidente Michel Temer teria dado o aval para a compra do silêncio de Cunha, que poderia fazer delação premiada, e que Aécio teria recebido R$ 2 milhões solicitados aos empresários.