O tradicional discurso de abertura do ano legislativo foi mais aguardado do que de costume ontem, provavelmente, porque foi o último de Raimundo Colombo (PSD) à frente do governo do Estado. Falando aos deputados estaduais, o governador destacou índices divulgados nos últimos dias para reforçar que a crise se afastou de Santa Catarina, que foi - como ele tem repetido e que provavelmente será um dos mantras da sua campanha ao Senado - o último estado a entrar na crise e o primeiro a sair dela. Na avaliação do governador, cinco fatores foram essenciais para o resultado; temporadas de verão com excelentes números; aumento das exportações; substituição das importações têxteis; aumento da safra e da produtividade; e o avanço do setor tecnológico. “Saíram os números de 2017 do Ministério do Trabalho e Santa Catarina está em primeiro lugar na geração de empregos e foi estado que teve o maior crescimento do PIB, 4,3%, enquanto o PIB do país ficou em torno de 1%”, comparou em um dos trechos para logo depois citar investimentos do setor privado que devem contribuir para uma melhora ainda mais significativa do cenário, como os anunciados pelas empresas Parati (R$200 milhões) e GM (R$1,2 bilhão) em Joinville. Colombo ainda atribuiu os resultados à reforma da previdência estadual, ao não aumento de impostos e à manutenção dos incentivos fiscais. Entre as dificuldades, o governador lembrou os obstáculos a serem superados nas áreas de segurança – com aumento considerável da criminalidade – e da saúde, sem citar o caos enfrentado por alguns hospitais do Estado. Prestes a deixar o governo, - ele licencia no dia 16 e na volta começa oficialmente a transição para administração de Eduardo Pinho Moreira (MDB) -, Colombo mandou um recado aos prefeitos. Disse que tem como último desafio viabilizar o Fundam, dinheiro aguardado para bancar obras nos municípios. A primeira edição do programa, em 2014, foi uma das grandes plataformas da sua reeleição. Dessa vez, apesar de Santa Catarina ter mantido uma considerável vantagem em relação ao cenário nacional, Colombo terá que dar também outras explicações aos eleitores, como as citações na Lava-Jato e o descumprimento de promessas antigas, como as de infraestrutura para região, mesmo após quase oito anos de caneta na mão. Decisão em fevereiro  Nas arquibancadas do Beira Rio, onde assistiu às partidas válidas pela Copa que leva o nome do clube, o prefeito de Schroeder, Osvaldo Jurck, também refletia sobre seu futuro político. À coluna, Jurck diz que define seu destino ainda em fevereiro. Pensa em trocar o PSDB pelo PP ou PSD. O único problema é que se quiser concorrer nas eleições de outubro, terá que renunciar ao cargo. O desconforto entre a base... O vídeo postado nas redes sociais pelo presidente da Câmara Anderson Kassner (PP) anunciando que vai fazer uma economia anual de R$ 95 mil ao não contratar assessora para presidência da Casa teve quase nove mil visualizações. A verba será, segundo ele, aplicada na contratação de mais horas de trabalho de médicos no Pronto Atendimento do São José. Entretanto, o estilo do pepista têm gerado desconforto entre a base e críticas entre a oposição. Uma delas é que se o maior objetivo do Legislativo é fazer economia – e não legislar e fiscalizar- o melhor é fechar as portas da Câmara de vez. ...Negherbon e Ávila se manifestam Nesta terça-feira (6), na tribuna, Jaime Negherbon (MDB) lembrou que vereador não tem autonomia para definir onde serão investidos os recursos e pediu que Anderson Kassner reconheça o trabalho dos outros parlamentares que também fazem esforço para auxiliar na economia e assim possibilitar que o Legislativo devolva sobras para o Executivo. Logo depois, Jackson Ávila (MDB) usou o espaço e reforçou as críticas a Kassner, a quem acusou de copiar a ideia dos outros vereadores para se autopromover. “Caminhe com as suas próprias pernas...”. “Se nós somos a Câmara mais econômica é porque todos aqui fizeram sua parte”. Kassner ouviu os desabafos e deu continuidade à sessão. Operação Secretário de Planejamento e Urbanismo, Eduardo Bertodi (MDB) diz que a demolição de um imóvel que estava sendo construído irregularmente, em área de preservação permanente, na rua Alma Vogt Baggenstoss, bairro João Pessoa, na semana passada, foi histórico e que vai se tornar referência para casos do tipo. A ação foi resultado do primeiro processo administrativo de demolição de Jaraguá do Sul. Segundo ele, o trabalho de prevenção para casos deste tipo ganhará apoio de drone, principalmente nos bairros Águas Claras, Barra do Rio Molha e Boa Vista. Empresa amiga da escola O gabinete do vereador Marcelindo Gruner (PTB) trabalha na elaboração de um projeto de lei até agora intitulado “Empresa Amiga da Escola”. O objetivo, explica o parlamentar, é possibilitar que empreendimentos que doam material, serviços ou mão de obra para as escolas da rede pública possam divulgar seus produtos dentro da instituição. Dentro das próximas semanas, o texto deve chegar ao plenário. Em foco
  • Afirmação feita na plenária da Acijs também gerou desabafo entre os parlamentares na sessão de ontem. Primeiro foi o vereador Marcelindo Gruner (PTB) que pediu que o voto dos eleitores seja respeitado. “Ninguém entrou aqui pela porta dos fundos”. Depois foi a vez de Ademar Winter (PSDB), que sem citar nomes provocou: “convido que seja candidato e venha disputar uma cadeira aqui então”.
  • Sem líder de governo na Câmara desde o dia 31 de dezembro, o prefeito Antídio Lunelli (PMDB) deve anunciar o escolhido na volta da licença, na próxima semana. Um dos cotados é Jackson Ávila, do MDB.
  • Ex-diretor do Instituto Jourdan, Marcio Manoel da Silveira deve retornar à Prefeitura. Dessa vez para assumir a diretoria de projetos, no lugar de Domingos Zancanaro, que foi nomeado secretário de Desenvolvimento Econômico. Além de tratar da captação de recursos, Silveira deve contribuir com o planejamento da cidade.
  • Presidente da Câmara de Vereadores de Guaramirim, Ernesto Friedemann (PP), vem apostando no contato com eleitores através das redes sociais. Também estabeleceu um serviço de Whatsapp do Legislativo para que a comunidade possa enviar suas críticas, pedidos e sugestões.
  • Aldo Schneider (MDB) assumiu ontem a presidência da Assembleia Legislativa em substituição a Silvio Dreveck, do PP. Um acordo histórico entre as duas siglas.