Palestra de Alexandre de Moraes em Roma foi patrocinada por grupo condenado por promover “kit Covid”

Foto: Arquivo Agência Brasil

Por: Pedro Leal

19/07/2023 - 13:07 - Atualizada em: 19/07/2023 - 13:33

A palestra do ministro Alexandre de Moraes em Roma, na semana passada, pouco antes de uma suposta agressão a ele e ao filho no aeroporto internacional, foi patrocinada por um grupo empresarial de Goiás que tem participação na farmacêutica Vitamedic.

As informações são da Gazeta do Povo e da Band.

A empresa foi condenada pela justiça gaúcha por danos morais coletivos por conta do chamado “kit Covid”, que tinha a ivermectina, seu carro-chefe, como um dos medicamentos para o tratamento precoce da Covid-19.

O minstro aceitou o convite, apesar de ser o relator de um inquérito aberto há dois anos para apurar a divulgação de fake news sobre a Covid-19 e da condenação da empresa.

O evento, realizado na Universidade de Siena, foi promovido pela faculdade Unialfa, de Goiânia, e teve 31 palestrantes convidados.

Além da condenação da Vitamedic, a Unialfa, de propriedade do Grupo José Alves, trabalhou com o movimento “Médicos pela Vida” em um manifesto a favor do “kit Covid”.

A Vitamedic e o “Médicos pela Vida” foram multados em R$ 55 milhões por apoiar a divulgação do manifesto e incentivar o uso do kit. A decisão em primeira instância ainda cabe recurso.

Segundo a apuração, a Vitamedic faturou cerca de R$ 500 milhões durante a pandemia da Covid-19 com a venda da ivermectina, contra apenas R$ 15 milhões do ano anterior.

O diretor da empresa foi chamado a depor na CPI da Pandemia. Os senadores pediram a quebra do sigilo telefônico e fiscal do presidente do grupo, evitada por um mandado de segurança impetrado no Supremo.