Os organizadores da manifestação programada para este domingo (13) em Jaraguá do Sul, que pede fim da corrupção, impeachment ou renúncia da presidente Dilma Rousseff, esperam reunir dez mil pessoas a partir das 15h na Praça Ângelo Piazera. Aproximadamente mil adesivos foram confeccionados para o evento, denominado Vem Pra Rua. Ontem, as entidades ligadas ao Centro Empresarial de Jaraguá do Sul (Cejas) reforçaram apoio ao ato e convocaram os associados a participarem do protesto. A convocação vem sendo feita também pelas redes sociais e demais meios eletrônicos. O trajeto começará pelos fundos da Praça Ângelo Piazera, seguindo pela Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, ruas Cabo Harry Hadlich, Reinoldo Rau e Procópio Gomes de Oliveira, com retorno pelo Calçadão até o ponto de partida, onde haverá a dispersão. A Polícia Militar estará no local para garantir a segurança dos manifestantes e evitar tumultos. O movimento nacional Vem Pra Rua exibia ontem a lista dos Estados e municípios que confirmaram oficialmente a adesão ao chamamento. São Paulo e Minas Gerais estão entre os que confirmaram mais municípios participantes. Em Santa Catarina, 33 municípios aderiram à mobilização. Na macrorregião Norte, estão Jaraguá do Sul e Joinville. Paraná registrou 31 cidades e Rio Grande do Sul, 24 cidades. Acre, Alagoas e Amapá confirmaram apenas as capitais. Pessoas em outros onze países também aderiram. O representante comercial Amarildo Batista, um dos organizadores da manifestação em Jaraguá do Sul, que também faz parte do Movimento Brasil Melhor, enfatiza que a ação de domingo é apartidária. “Temos pessoas de todos os partidos e ninguém aqui está para se autopromover. Precisamos fortalecer as instituições que estão atuando pelo lado correto, como a Polícia Federal, o STF (Supremo Tribunal Federal) e o Ministério Público”, afirma. O advogado Luís Fernando Almeida, filiado ao PP, é um dos que apoia a manifestação. “Vou participar, como já participei de outras manifestações, porque discordo do que está acontecendo em nível nacional. A bandeira que levantamos é contra a corrupção, o descaso, os escândalos. Há muitas irregularidades”, afirma.