Atualizada em 30/10 às 22h

O eleitor foi às urnas e escolheu construir uma nova história do Brasil e de Santa Catarina com Jair Bolsonaro e Carlos Moisés, ambos do PSL. Um dia depois do pleito, a Rede OCP News conversou com os vereadores de Joinville para saber o que eles esperam dos novos governantes e como avaliam a ascensão do PSL que teve votação histórica no estado. Confira!

Adilson Girardi (SD)

Eu vejo o crescimento do PSL como um movimento verticalizado, a partir do fenômeno Bolsonaro pelo País.  Poderia ser outro partido pequeno qualquer. Espero que o novo presidente consiga trabalhar em sintonia com o Congresso Nacional e o Senado, para viabilizar as principais reformas, como da previdência, a fiscal e também a política.

Do governador eleito eu realmente espero que ele consiga desmanchar a estrutura ultrapassada, reduzindo secretarias, e que ele consiga capitalizar o apoio do presidente, que é do seu partido, para investimentos em infraestrutura para Santa Catarina.

 

Ana Rita Hermes (PROS)

Acho que o povo brasileiro deu um recado muito claro, nestas eleições, de que a forma antiga de fazer política não pode mais existir. Este partido é novo e veja a representatividade que ele teve. O povo cansou destes antigos partidos políticos cheio de vícios,  que estão grudados no poder desde sempre.

Quanto ao governo Estadual e Federal eu espero que eles possam fazer o Brasil crescer e chegar onde precisa chegar. Somos um País grande, com gente muito boa, com muitos recursos e nunca fomos realmente bem representados por um governo que conseguiu o máximo de nos. Que seja o começo de uma nova fase e que principalmente o foco maior seja na educação. Porque se fizerem outras coisas e não investiram em educação básica de qualidade daqui a 10, 15 anos vamos estar na mesma situação.

Claudio Aragão (MDB)

O PLS é um partido que foi contemplado pela ascensão do candidato nacional, que ganhou força pelo clamor da população. Hoje o partido ganhou força nacional que provavelmente fará diferença nas próximas eleições municipais. Espero que Bolsonaro possa fazer uma excelente gestão, e que resgate nossos valores morais e financeiros perante a comunidade internacional. Que seu mandato sirva de modelo como um gestor que ama a nação e zela pelos interesses dela, trazendo a união dos cidadãos e resgatando a dignidade do pai provedor.

Já a Carlos Moisés, torço que ele possa ver a nossa cidade com carinho, e que Joinville possa ser o destaque em seu governo. Que as indiferenças dos governos anteriores se mantenham no passado, que o joinvilense possa contar em todos os aspectos com o governo do Estado. Nosso pedido inicial é que o governo retome já em janeiro, todos os compromissos firmados com nossa cidade.

Fernando Krelling (MDB)

Entendo que essa eleição foi espelho do descrédito da classe política nos últimos anos. Reflexo de todas as manchas de corrupção que afetaram o País. A população optou por uma alternância no poder, será uma grande mudança. Moisés embarcou nesta onda Bolsonaro e com um discurso tranquilo e coerente, conquistou a simpatia de mais de 70% dos eleitores. Acredito e confio que essa grande confiança depositada na urna, irá refletir em um trabalho de coerência e boas atitudes.

É hora de jogar qualquer bandeira partidária de lado e pensar em Santa Catarina. A junção de forças é extremamente importante nesse momento, os vencedores ou perdedores da eleição, precisam entender que o momento eleitoral passou e agora a batalha é uma só, trabalhar e fazer uma Santa Catarina melhor para todos.

Fabio Dalonso (PSD)

Nem todo mundo sabe, mas eu fui tenente do Exército Brasileiro, servi por dez anos. Até por conta disso, há mais de um ano venho fazendo campanha para o Bolsonaro. Estou feliz com esta vitória. Acho que ele tem agido de forma bastante correta nestes primeiros nomes já anunciados em sua equipe. Com a votação expressiva que ele fez está legitimado e deve ter força para nos primeiros seis meses de governo aprovar as reformas que o Brasil tanto necessita.

Com relação ao Moisés, eu não o conheço. Já fiz alguns questionamentos para ele para saber como ele vai agir em relação à Joinville e os Bombeiros Voluntários, mas como não o conheço, não posso julgá-lo. Experiência ele não tem, mas diante deste voto de confiança da comunidade vamos torcer que ele faça um bom governo.

James Schroeder (PDT)

O resultado do segundo turno das eleições não surpreende. O primeiro turno, na verdade, também não me surpreendeu pelo acompanhamento que fiz durante todo o processo. Esta eleição ela fala muito mais dos eleitores do que do eleito, porque não houve debate de ideias. O debate se radicalizou entre os que não queriam mais o PT e aqueles que se apresentou como o diferente. O PSL, por sua vez, tem que superar esta fase inicial de oportunista de primeira hora e também superar os oportunistas de ocasião, é preciso que a sigla crie uma identidade para que em 2020 possa servir ao debate de ideias e de práticas.

Eu penso que muito do que foi dito pelo presidente eleito durante sua campanha pode ter sido bravatas que tinham um único condão de fazer com que ele fosse comentado, como realmente foi. Eu espero que muito do que ele disse não passe de bravatas porque se não vamos viver tempos difíceis enquanto civilização brasileira. Já com relação ao Moisés, acredito que ele precisará de pessoas que conheçam a máquina estatal, mas que estejam foram dos esquemas clientelistas que geralmente pautam a escolha de secretário, primeiro e segundo escalão. Ele tem agora dois meses para se preparar para isso. Espero que ele consiga manter Santa Catarina com o status de estado economicamente forte e equilibrado financeiramente.

Lioilson Correia (PSC)

Não vejo a ascensão do PSL como PSL. Eu vejo o fato de Bolsonaro estar no PSL fez com que as pessoas votassem no 17. Mas isso iria acontecer com qualquer partido que o presidente eleito estivesse. As pessoas votaram movidas pela onda Bolsonaro e não do partido. Se amanhã o Bolsonaro mudar de legenda o PSL volta a ser um partido pequeno.

Quanto ao governo do Bolsonaro, torço para que seja um governo democrático. E com democracia ele possa fazer uma gestão que as pessoas se sintam incluídas. De fato, alguma diferença vai se dar no País se ele conseguir fazer as reformas que o Brasil precisa. Já em relação ao governo do Estado, vejo com muita aflição, mas torço para que ele consiga montar um grupo de secretários que possa conhecer a máquina pública e tenha coragem de fazer mudanças. Moisés vai assumir uma máquina comprometida com dívidas, folha de pagamento. Se não for feito um pacto federativo não sobra praticamente nada para investimentos. Sem investimentos teremos um governo mais do mesmo. Tomara que ele dê certo e que ele dê a atenção que Joinville merece.

Mauricio Peixer (PR)

Recebi com muita animação o resultado do pleito, muito mais pelos eleitos do que propriamente o partido. Bolsonaro é a esperança da verdadeira mudança que precisamos, fazer. Espero que ele consiga fazer as reformas necessárias já no início do mandato e melhorar a economia para alavancar a geração de emprego.

Já de Carlos Moisés espero que ele atenda às reivindicações de Joinville pela expressa votação que aqui teve.

Ninfo (PSB)

Foi o desejo da mudança que venceu. Quero que o presidente Jair Bolsonaro mantenha pulso firme, e siga a linha de conduta que nos empolgou. E aqui em Santa Catarina desejo que o governador Moisés siga estes propósitos.

Pelé (PR)

A ascensão do PSL, sem dúvida, aconteceu em razão do clamor da população por mudança. Esperamos do novo presidente eleito, Bolsonaro, e do governador eleito Moisés, que lutem pelos anseios do povo, principalmente nas áreas de segurança, saúde e educação.

Queremos um governo administrado por pessoas honestas, com caráter, trabalhadoras e que nos defendam. Sobretudo, continuaremos a fiscalizar e vamos cobrar que o governo do estado dê uma atenção especial para a nossa Joinville, que demonstrou nas urnas que está acreditando no novo governador e presidente.

Odir Nunes (PSDB)

O resultado das eleições trouxe a vontade do povo: a mudança e o combate ao socialismo, essas foram as bandeiras do PSL. Acredito que Jair Bolsonaro tem conhecimento para iniciar a mudança necessária, pois ele tem experiência política. No governo do Estado realmente é uma novidade, um candidato até então desconhecido e que foi eleito pela bandeira do PSL, a eleição é legítima e ele terá que honrar cada voto. Ambos tem quatro anos para dar as respostas à população que está politizada e no seu direito de escolha.

Richard Harrison (MDB)

A ascensão do PSL está vinculada à figura de Bolsonaro, que representa uma sensação heroica da política, por meio de falas que defendem a família tradicional e um personagem “conservador”, somados ao sentimento de falhas e fracassos de um outro modelo de governo. O partido cresce junto da onda de renovação trazida por Bolsonaro. O partido é apenas um protocolo, acredito que o resultado das Eleições seria o mesmo independentemente da sigla.
Aos eleitos, desejo boa sorte e grandes governos. Nós sabemos dos problemas em que o País e Santa Catarina contém. O estado tem R$ 5 bilhões de dívida e, o País, R$ 5 trilhões. Espero que haja muita serenidade e democracia nesse processo de redução, afinal, enxugar a máquina pública é necessário; diferentemente de tornar o Estado pequeno, mas torna-lo eficiente. Portanto, o desafio dos eleitos será equalizar essa administração pública em um modelo de governança corporativo. Somos brasileiros e precisamos fazer com que o Brasil vá para a frente, não para um lado ou para outro.

Rodrigo Coelho (PSB)

Eles são legitimados foram eleitos com votação expressiva, em especial o Carlos Moisés. Bolsonaro também, mas penso que este é um recado mais anti PT e o que eles fizeram no decorrer dos últimos anos. Acho importante esta postura dele de respeito à família, a favor da vida, da Pátria e de ter uma atuação mais liberal, fazendo o fortalecimento dos municípios, enxugando a máquina pública, fortalecendo as instituições e combatendo a corrupção. Que as reformas que tanto necessitamos sejam encaminhadas para que o Brasil possa voltar a crescer.

Com relação ao Moisés, ele me parece ser uma pessoa de bem. Tem nosso apoio também, e a espero que ele dê atenção a Joinville – que não aconteceu na campanha. Ele não assumiu nenhum compromisso com a cidade, que ele reverta isso no governo e que consiga administrar bem o Estado. Vamos cobrar isso dele.

Tânia Larson (SD)

Das eleições, vejo que o povo está acordando para uma nova política. O resultado das urnas foi a prova disso, não querem mais conchavos político e sim trabalho. Vejo que o partido PSL cresceu devido aos seus membros e candidatos buscarem uma nova política, a mudança. A onda PSL será seguida por muitos partidos e militantes na próxima eleição, porque é o que o povo espera.

Vamos com esperança por uma boa gestão do Bolsonaro e comandante Moisés, uma recuperação estadual e nacional, e a consolidação da esperança dos catarinenses e brasileiros em um futuro melhor. Os catarinenses mostraram nas urnas que queriam mudanças e agora as ações dependem dos governantes eleitos.

Wilson Paraíba (PSB)

Sobre a acessão do PSL, acredito que a população esteja cansada da política e apostaram na renovação. O País já enfrentou tantos momentos difíceis por confiar nos “velhos candidatos” e agora apostamos em um novo, que fez a sua política de forma correta, sem dinheiro e corrupção. Esperamos que na presidência de Jair Bolsonaro, se cumpram todas as promessas realizadas, sempre respeitando a confiança depositada pelo povo, que se comprometa em controlar os gastos públicos e em promover a transparência administrativa.

Já com a eleição do governador comandante Moisés, agora com uma nova equipe, esperamos que com força de vontade e compromisso com a população, seja um mandato de transparência, com a saúde, educação e segurança.

*Até o fechamento desta reportagem os vereadores Jaime Evaristo (PSC), Mauricinho Soares (MDB), Natanael Jordão (PSDB), Richard Harrison (MDB), Rodrigo Fachini (MDB) não responder ao pedido de entrevista da Rede OCP News.