A Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul começou a usar nesta semana pela primeira vez o novo sistema de plenário digital. Depois da integração de todo o sistema do legislativo, em até 45 dias, os projetos de lei e indicações vão passar a tramitar de forma totalmente digital, sem papel.

O Projeto Legislativo Digital, iniciado em 2018, está vinculado ao Plano Diretor de Tecnologia da Informação que começou a ser trabalhado pelo Setor de Tecnologia da Informação (TI) da Câmara de Vereadores ainda em 2016. A finalização desse processo, iniciado em 2018 pelo então presidente Anderson Kassner (PP), neste ano foi uma das metas do atual presidente da Câmara Marcelindo Gruner (PTB).

Foto Divulgação/CMJS

No pacote de modernização está incluído o sistema de votação do plenário. Totalmente digital, o  agora usa notebooks, substituindo o modelo antigo, que já tinha mais de 20 anos e apresentava problemas constantes, afirma o legislativo.

O sistema também vai permitir que os projetos enviados pelo Executivo, assim como as indicações feitas pelos vereadores e outras proposições, caminhem de forma digital entre a Câmara e a Prefeitura.

“Desde o recebimento dos projetos, passando pelas comissões, depois indo ao plenário para votação e retornando ao Executivo, vai ser tudo digital”, descreve o presidente.

O investimento na atualização tecnológica da Câmara busca trazer mais transparência e dinamicidade aos processos legislativos, diz Gruner, aproximando o contribuinte do trabalho dos parlamentares.

Para a aquisição dos notebooks, dos softwares e para a melhoria do servidor – espaço para armazenamento de dados -, foram investidos mais de R$ 300 mil.

"É um investimento que com certeza se paga, no nosso caso, em até curto prazo, só com a quantidade de papel que será reduzida", afirma.

População poderá fazer indicações

Em agosto, uma nova licitação deve ser aberta, para a contratação de uma ouvidoria digital. Por meio da ferramenta, qualquer pessoa poderá fazer sua sugestão ou reivindicação que será diretamente transformada em indicação.

Foto Divulgação/CMJS

Caso a pessoa dirija seu pedido a um vereador, este assinará a indicação. Se não tiver um destinatário, a proposição vai ser assinada pela Mesa Diretora, explica o presidente. Um aplicativo de celular também está sendo elaborado.

“Queremos cada vez mais, investir em tecnologia, pessoas e transparência no legislativo. Defendo isso desde o início da legislatura”, Gruner frisa, ressaltando também a preocupação em adotar práticas de sustentabilidade ecológica.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito: 

WhatsApp  

Telegram  

Facebook Messenger