Com uma diferença de 33 décimos, Irineu Manoel de Souza, do Centro Socioeconômico (CSE), foi o professor mais votado entre os três candidatos à reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), nesta quarta-feira (29). Porém, como ele não alcançou mais de 50% dos votos necessários para vencer o pleito, disputará o cargo mais importante da Universidade ao lado de Ubaldo Cesar Balthazar, do Centro de Ciências Jurídicas (CCJ), no segundo turno, marcado para 11 de abril. LEIA MAIS: Eleição deve movimentar 40 mil pessoas nesta quarta-feira A apuração encerrou perto da meia-noite. Irineu conquistou 34% dos votos contra 33,67% de Ubaldo. O professor Edson Roberto De Pieri, do Centro Tecnológico (CTC), ficou em terceiro lugar com 30,62% dos votos. A eleição que ocorre fora de época em função da morte do ex-reitor, Luiz Carlos Cancellier, conta com mais de 40 mil pessoas aptas a votar, considerando alunos, professores e técnicos administrativos das cinco unidades no Estado. A votação no primeiro turno, que ocorreu nesta quarta, iniciou às 8h e encerrou à 21h. Apenas 0,5% dos eleitores votou em branco e 1,1%, nulo. Passada a fase da votação, a lista tríplice de candidatos será enviado ao Ministério da Educação (MEC) na ordem do mais votado para o menos votado. Segundo o presidente da comissão eleitoral, Paulo Rizzo, há um acordo para que os candidatos perdedores não assumam o mandato de quatro anos, caso sejam indicados pelo MEC. Porém, a tendência é de que o Ministério opte pelo candidato mais votado. Após a análise, o presidente da República faz a nomeação do novo reitor. LEIA MAIS: Universidade não tem clima de eleição

Confira o perfil dos candidatos que estão no segundo turno:

Irineu Manoel de Souza Perfil: Segundo a comunicação da UFSC, Souza é graduado em licenciatura plena em tecnologia pela UFSC e em administração pela Udesc, mestre em administração e doutor em engenharia e gestão do conhecimento pela UFSC. Lidera o grupo de pesquisa em gestão social e administração pública. Há 44 anos atuando na UFSC, ingressou como administrador, integrou o magistério como professor e se tornou diretor do Centro Socioeconômico (CSE). Trecho da manifestação final do candidato no debate de 22 de março: “Nos preocupamos com a pesquisa de qualidade e socialmente referenciada, que atenda a sociedade, com a institucionalização do ensino à distância, valorização da graduação e permanência do desafio. Apoiaremos a autonomia universitária para buscar junto ao governo federal orçamento participativo. A transparência será um dos princípios fundamentais da nossa administração, o que possibilitará os fundamentos da autonomia universitária. Defendemos a construção de moradias, institucionalização para indígenas, ações institucionais anti-racistas. O reitor precisa ser uma pessoa tranquila, limpa e que possa defender a universidade em todas as instâncias.” Ubaldo Cesar Balthazar Perfil: Assumiu a reitoria temporariamente após a morte de Cancellier. Segundo a comunicação da Universidade, Balthazar é professor titular da UFSC há 40 anos. Doutor em direito pela Universidade Livre de Bruxelas, mestre e graduado pela UFSC. Atua com ensino, pesquisa e extensão em temas do direito. Entre as atividades exercidas na universidade, foi coordenador dos cursos de graduação e pós graduação, chefe de departamento, vice-diretor e diretor do Centro de Ciências Jurídicas e presidente do Conselho Curador Fundação José Arthur Boiteux. Trecho da manifestação final do candidato no debate de 22 de março: “Sou professor há quarenta anos, ocupei todos os cargos administrativos no âmbito do Centro de Ciências Jurídicas, construí minha vida dentro da universidade, por isso me sinto em perfeitas condições de exercer o cargo de reitor pelos próximos quatro anos. Comungo com a ideia de uma universidade autônoma, sonho com uma universidade sem medo, feliz, onde a gente possa trabalhar com prazer. Eu diria que a universidade dos meus sonhos é a universidade que vai sair desse ranking de 4ª melhor universidade do Brasil para o primeiro lugar dentro de quatro anos. É perfeitamente possível desde que todos nós vistamos a camisa da universidade. Uma vez eleito nós seremos reitor de todos.” LEIA MAIS: Candidatos à reitoria da UFSC fazem último debate antes da eleição