Com o fim do prazo para desincompatibilização, dois secretários do governo Antídio Lunelli (PMDB) decidiram pegar seus chapéus e se lançar como pré-candidatos às eleições de outubro. Jonas Germano Schmidt (DEM) deixou a Secretaria de Saúde e deve concorrer a deputado estadual. Natália Petry (PMDB) também se desligou dentro do prazo previsto em lei embora ainda não se coloque como pré-candidata. A ex-secretária de Cultura e Esporte volta para a Câmara de Vereadores e tem convite do governador Eduardo Pinho Moreira para assumir a Fesporte, mas se esse fosse o caminho já traçado,  Natália não teria por que retornar ao Legislativo, iria para Florianópolis sem escala. Faz parte da estratégia do PMDB ter uma peça chave guardada enquanto negocia os acordos e alianças para a eleição de outubro. Pesa, inclusive, a condição do presidente estadual da sigla, Mauro Mariani, que é pré-candidato ao governo do Estado e precisa ter uma forte nominata para enfrentar a aliança que se forma do outro lado do front com PSD, PP, PDT, PSB e outros seis partidos. O lançamento da pré-candidatura de Jonas Germano Schmidt aconteceu na noite de ontem (9) durante reunião da executiva do partido e com a presença do deputado federal e pré-candidato ao governo do Estado pelo DEM, João Paulo Kleinubing. A confirmação da exoneração de Jonas pegou a maioria de surpresa, já que o DEM até agora vinha avaliando a possibilidade de apoiar a candidatura do ex-prefeito Dieter Janssen (PP) à Assembleia Legislativa. Segundo ele, entretanto, o diretório estadual alertava para necessidade de o partido ter seus próprios representantes na região, vontade que também teria sido expressada pela executiva municipal. Com as duas desincompatibilizações publicadas ontem no Diário Oficial do Município, aumenta o congestionamento de pré-candidatos, o que pode acabar inviabilizando o objetivo das lideranças do setor privado de garantir ao Vale do Itapocu duas cadeiras na Assembleia Legislativa e uma na Câmara Federal. O sinal vermelho acendeu.