Apesar do clima tenso registrado no fim da plenária do Centro Empresarial de Jaraguá do Sul (Cejas) desta segunda-feira, quando o prefeito do município, Antídio Lunelli (PMDB), discutiu com servidores que acompanhavam sua apresentação, o presidente da Acijs e do Cejas, Giuliano Donini, avalia que a plenária possibilitou esclarecimentos importantes. "Foi um momento positivo, porque colocou a comunidade a par das ações do poder público nestes primeiros meses de gestão, num momento em que tivemos uma situação atípica para a história da própria cidade", disse o empresário, se referindo à greve de 30 dias dos servidores. Segundo ele, há um caminho a ser seguido para que a administração leve o município à retomada de projetos importantes para o desenvolvimento de Jaraguá. "A expectativa agora é de que passado este momento mais complicado, ao completar os seis primeiros meses de gestão, com as medidas tomadas, se tenha efetivamente projetos que possam dar outro dinamismo para a cidade", completa Donini. Lunelli reforçou que continuará insistindo em ações para a melhoria da eficiência da gestão pública de Jaraguá do Sul e que somente com a redução de custos a cidade voltará gradativamente a retomar a sua capacidade de investimentos e afirmou que "não existe plano B" no caso de haver rejeições às mudanças propostas. "As despesas precisam ser menores que as receitas, sem isto não há como o município crescer", explicou. Leia mais: Com plateia dividida, prefeito Antídio Lunelli faz balanço na Acijs Leia mais: Lunelli se espelha na iniciativa privada para administrar Jaraguá do Sul O prefeito reforçou que a intenção não é retirar direitos, mas estabelecer justiça em relação à aplicação de recursos. "Precisamos fazer o dever de casa, ajustando a administração pública à crise como fazem todas as empresas. Se a sociedade se ajusta, por que o setor público não pode fazer o mesmo, estabelecendo controles e dando transparência a todos os processos da administração?", questiona. "Estamos fazendo tudo o que é possível, revisando contratos e analisando profundamente todas as situações, até cancelando alguns processos. Continuaremos buscando a eficiência dentro do setor público com medidas internas. Em relação à população, faremos justiça, para que cada cidadão pague o seu imposto de maneira adequada. Jamais haverá aumento de imposto, e sim os ajustes que forem necessários, porque hoje tem gente que paga muito e outras pessoas que pagam pouco". *Com informações da assessoria de imprensa do Cejas