O OCP inicia neste final de semana a publicação de uma série de entrevistas com os onze vereadores eleitos para a legislatura 2017 – 2020 da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul. A cada edição, a partir do mais votado, cada um dos parlamentares será apresentado e irá falar sobre histórico na comunidade, perfil, propostas e demais considerações. Nesta edição, foi a vez do vereador eleito Anderson Kassner, do PP. Concorrendo pela primeira vez ao cargo, Kassner foi o mais votado no município nestas eleições. Filiado há cerca de dois anos no partido, o pepista atuou por 26 anos no setor privado, sendo 12 anos como contador na WEG e 11 anos como gerente de controladoria na empresa Lunender. O eleito também esteve à frente da diretoria administrativa da Samae, onde junto com a equipe implantou um sistema de controle ainda novo em empresas públicas, resultado da experiência na iniciativa privada. Levar esse conhecimento ao setor público, no Legislativo, é uma das suas principais propostas de trabalho e também uma das razões que o levou a participar da política. A entrevista com o eleito ocorreu na Câmara de Vereadores, local escolhido em razão do seu compromisso de representar a população do município de uma forma geral. “Escolhi a Câmara porque cada voto de confiança e apoio que recebi foi para que eu conseguisse estar aqui, com uma cadeira nessa Casa, representando as pessoas. Ganhei votos em toda a cidade e vou representar a todos”, declarou o pepista. linha azul ENTREVISTA Foi a primeira vez que concorreu a um cargo eletivo e se elegeu como o mais votado. O que esse resultado representa para o senhor? Estou feliz e são alguns fatores que levaram a esse resultado. Primeiro, foi Deus, que é quem me ajudou e proporcionou isso tudo. Depois minha família, que me ajudou bastante, meus filhos, minha esposa indo comigo a diversos lugares, e os amigos, que acreditam em mim, no meu trabalho, e indicavam meu nome. E também o meu trabalho na sociedade, com as pessoas, esse foi outro fator, assim como o nosso material (de campanha) que foi diferente. Como eu não era conhecido, fiz um material mostrando quem eu sou, minha família, onde trabalhei, minha experiência na agricultura, envolvimento com as pessoas, como me preparei para ser vereador. Também apresentei minhas propostas, simples, mas que vou conseguir cumprir. Qual é esse histórico de atuação na comunidade? E por que quis participar da política, ser vereador? Além de eu ser um cara de números, da área administrativa, sempre fui envolvido com pessoas, a minha vida inteira, desde que entrei na Lunender, quando junto com a equipe implantamos benefícios aos trabalhadores, como plano de saúde, participação nos lucros, auxílio escolar. Também estive envolvido na diretoria da Apae, participando dos eventos, também envolvido nas sociedades de tiro, eventos esportivos, na Rede Feminina de Combate ao Câncer, na Ama. E as pessoas também viram minha mobilização junto a empresários para conseguir 13 aparelhos de ar-condicionado para o Hospital São José. E as pessoas viram isso, que antes de ser vereador eu já fazia pela comunidade. E por isso pensei em ir para a política, é através dela, quando séria e verdadeira, que dá para fazer muito mais pelas pessoas. Saí da Lunender, fui convidado para ser o diretor administrativo da Samae, o que me deu uma grande experiência do setor público, que eu não tinha, inclusive sobre PPA (Plano Plurianual), LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) que fazem parte do trabalho do vereador. E outro motivo é tentar ajudar a mudar um pouco o sistema público, levar novas ideias. Por exemplo, mais controle. Nós temos que ter uma forma de controlar mais para sobrar dinheiro para aplicar em mais investimentos. Então esses são dois fatores principais que me levaram para a política. Como pretende trabalhar, tanto em relação a suas propostas, quanto ao posicionamento na Câmara? Quero ser a voz das pessoas, quero representar não só as pessoas que me confiaram o voto, mas todos os munícipes de Jaraguá do Sul. Representar e fazer isso bem, através de trabalho. Quero estar junto com eles na comunidade, entendendo os problemas, suas necessidades para levar ao Executivo. Outro ponto é o de dar essas novas ideias, de controle administrativo, para sobrar mais recursos e aplicar em áreas que estão precisando mais. E atuar sempre com transparência. E eu também quero dar um retorno, sempre, à população, sobre as demandas que me apresentarem. É a primeira vez que o senhor ocupará um cargo eletivo, existem as questões político-partidárias, como ser base e oposição. Está preparado para lidar com essas situações? Fui eleito para o poder Legislativo e com isso tenho o compromisso de representar as pessoas com as suas necessidades e desejos. Importante ressaltar o resultado dessa eleição, de forma surpreendente, fazendo a maioria dos vereadores, sete dos onze são da coligação do prefeito eleito. O povo acredita e espera um grande trabalho desta equipe e de todos os outros vereadores eleitos. Como foi sua preparação para ser vereador? Há quatro anos já comecei esse trabalho. Como eu sabia que iria para vereador, pensei que tinha que me preparar. Fiz escola de governo, fiz dois cursos de formação política, em 2013 e 2015, pela Avevi (Associação de Câmaras e Vereadores do Vale do Itapocu). Participei de diversos seminários, congressos, tudo relacionado a política. E a grande experiência foi a Samae, eu vivenciei a empresa pública, setores, servidores. Tive relacionamento muito forte, não só na Samae, como na Prefeitura, em áreas como Habitação, Obras e Saúde.