O anúncio nesta semana da construção de uma réplica da Torre Inclinada de Pisa, na Itália, na pequena cidade de Pedras Grandes, no Sul catarinense - com apenas 4.107 habitantes, segundo o IBGE - causou polêmica e rapidamente virou uma fonte de fake news. Custando entre R$ 1,2 e R$ 1,5 milhão dos cofres do município, publicações nas redes sociais alegavam que seriam investidos R$ 15 milhões do Governo do Estado na estrutura.

A torre, a ser erguida na praça do distrito de Azambuja, terá 27 metros de altura e 8 de diâmetro. A original tem praticamente o dobro do tamanho: 57 metros de altura e 15 de diâmetro.

O prefeito Agnaldo Filipi (PP) relata, ainda, que a exemplo da torre original, a de Pedras Grandes também será inclinada.

A torre vai ser a sede do Museu da Colonização Italiana e comporá um parque temático e cultural. Nela, funcionará um Centro de Apoio Turístico, com informações de Pedras Grandes, Urussanga e de toda a região.

A Colônia Azambuja é o berço da colonização italiana em Santa Catarina. Foi pela via que os primeiros colonizadores italianos avançaram em direção ao Sul de Santa Catarina, a partir de 1877. A obra contempla dois trechos ainda não asfaltados entre o distrito de Azambuja e a área central de Pedras Grandes. A execução ficará a cargo da Prefeitura.

O Governo do Estado informa que não é verídica a informação, divulgada nas redes sociais, de que será feito um investimento de quase R$ 15 milhões para a construção de uma réplica da Torre de Pisa na cidade de Pedras Grandes. Na última semana, o governador Carlos Moisés esteve no município para assinar um convênio com a prefeitura para a pavimentação da Rodovia da Imigração Italiana. O valor será usado nesta obra, que impulsionará o turismo na região Sul do Estado.