O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, determinou, nesta terça-feira (4), que a Polícia Federal abra uma investigação sobre institutos de pesquisa de intenção de voto que erraram as previsões para as eleições deste ano.

As informações são do portal R7.

As principais empresas do país que fazem levantamentos sobre a preferência do eleitorado brasileiro erraram diversas previsões para o primeiro turno deste ano, que aconteceu no domingo (2). Alguns levantamentos, por exemplo, davam menos de 40% dos votos para o presidente Jair Bolsonaro (PL) e apontaram a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ganhar sem a necessidade de segundo turno, o que não aconteceu.

Para que o Ministério da Justiça comunique a PF sobre a necessidade de investigação, é necessário que ocorra uma representação por parte de alguém que se sinta prejudicado. No caso dos institutos de pesquisa, a comunicação de crime foi protocolada pelo presidente do PL, Valdemar Costa Neto.

Segundo Torres, os institutos de pesquisa podem ter incorrido em divulgação fraudulenta de pesquisa eleitoral, crime previsto na lei das eleições. “É um crime que, em tese, induz as pessoas a tomar a sua decisão. Fere o direito constitucional do voto, da livre decisão do cidadão. Então, é extremamente importante a apuração para evitar esse tipo de conduta. Se realmente houve, precisa ser investigado e precisa ser punido.”

De acordo com o ministro, uma das intenções do inquérito é dar mais segurança ao eleitor. “É uma atividade feita por empresas e a gente precisa entender isso. Para que a população tenha tranquilidade. Em uma era que se fala tanto de fake news, se uma pesquisa é falsa, fraudulenta, não tem fake news maior do que essa em um momento tão importante para a nação quanto é a eleição. A eleição presidencial principalmente, que vai decidir o rumo do país”, frisou.

“Toda eleição existe esse questionamento. Toda eleição nós temos esses resultados discrepantes das pesquisas e nós precisamos encerrar isso no Brasil. Entender essa metodologia, ver se isso realmente está funcionando. Acho que o inquérito policial é um instrumento adequado para isso”, completou Torres.