Ele já foi policial Militar e trabalhou no serviço ostensivo de Joinville. Já comandou a 2ª Companhia de Aviação da Polícia Militar, e pilotou o Helicóptero Águia da PM. Depois, ao se tornar tenente-coronel, chefiou o 8º Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo policiamento de toda área Norte de Joinville. Mas em 2016, Nelson Henrique Coelho, deixou a farda para se dedicar a vida política. Na disputa de sua primeira eleição, entrou na chapa do prefeito de Joinville, Udo Döhler, que tentava a reeleição, como vice. A dobradinha deu certo e eles foram eleitos para administrar Joinville. Hoje aos 50 anos e após 16 meses no cargo, Coelho mostra confiança, firmeza e um conhecimento profundo de como seu ‘comandante’, Udo Döhler, administra a cidade. No final do mês de abril, o vice-prefeito recebeu com exclusividade a equipe de reportagem do Jornal de Joinville e contou dos desafios que vem enfrentando na administração da cidade. Confira a entrevista!
Vice-prefeito, Nelson Coelho, no lançamento Escola Cidadão na EM. Ruben Roberto Schmidlin
JJ (Jornal de Joinville): O senhor está há um ano e quatro meses ocupando a cadeira de vice-prefeito. Como o senhor avalia seu trabalho e explica pra gente, qual tem sido seu papel no executivo?
Nelson Henrique Coelho: Tenho que deixar bem claro qual é a função do vice-prefeito. É substituir o prefeito no caso de afastamento por conta de uma viagem, ou em qualquer situação em que o prefeito fique longe da Prefeitura. Para poder assumir a função de prefeito, que pode acontecer de forma programada ou repentina, é preciso saber como está a administração. Para isso, é necessário acompanhar todos os movimentos dentro da Prefeitura. Tenho que saber quais são as articulações e ações em andamento, saber como o prefeito entende cada secretaria, os projetos e prioridades. Porque, se eu assumir a prefeitura e tomar uma decisão errada, posso atrapalhar toda a gestão que vem sendo planejada. É isso que tenho feito.
JJ: E nestes 16 meses isso já aconteceu, o senhor já teve que substituir Udo Döhler?
Coelho: Aconteceu uma vez, quando Udo Döhler fez uma viagem ao exterior. Assumi a Prefeitura de Joinville por quatro ou cinco dias. Hoje, como a Prefeitura está informatizada, o prefeito consegue despachar fora da cidade, por meio da internet, e pelo telefone celular. Então na prática, só assumo em caso de viagens internacionais. Antigamente, se o prefeito fosse a Florianópolis ou Garuva, o vice tinha que assumir, hoje devido a tecnologia, não mais.
JJ: E como é o dia-a-dia do gabinete do vice?
Coelho: Quando assumiu o novo governo, o prefeito deu continuidade à reforma administrativa. Até por pedido meu, e por ter bem clara a função do vice-prefeito, fizemos uma reorganização total do gabinete, que está bem enxuto. Nosso trabalho tem sido acompanhar o prefeito no andamento das atividades da Prefeitura, acompanhando reuniões e ajudando o prefeito nas deliberações.
"Nosso trabalho tem sido acompanhar o prefeito no andamento das atividades da Prefeitura", Nelson Coelho
JJ: O senhor veio da Segurança Pública, ao se eleger sua equipe pensou em aproveitar esta experiência, nomeando o senhor como secretario desta pasta?
Coelho: Se eu assumisse a área de segurança, ou até mesmo outra secretaria, não iria conseguir acompanhar as decisões da Prefeitura como um todo. Eu seria apenas mais um secretário, e não estaria preparado para substituir o prefeito quando necessário. Por isso, optamos em seguir desta maneira. A diferença é que eu não tenho a visibilidade que, às vezes um secretário possa ter, mas atuo de forma bastante presente nos bastidores, sempre aconselhando secretários sobre o posicionamento do prefeito e ajudando à gestão Döhler dar certo.
JJ: Neste sentido, quais ações em que a atuação do senhor foi destaque?
Coelho: Foram muitas. Na área da cultura nossa equipe tem atuado fortemente, como na questão da revitalização da Estação da Memória. Nosso gabinete também trabalhou de forma enfática na questão daquelas pessoas que dormiam sob a marquise de um banco, no Centro. Foi um trabalho no qual o gabinete participou junto a Secretaria de Ação Social orientando como proceder e evitar conflito. Procuramos também articular para que todas as secretarias saibam o que as outras estão fazendo. Entendemos que todas as secretarias têm papel preponderante na Segurança Pública, não apenas a Guarda Municipal e agentes de trânsito. Elas precisam funcionar adequadamente e entrosadas, trabalhando de forma interdisciplinar. Atuo bastante neste sentido.
JJ: Dentro da Prefeitura o senhor tem uma área, uma secretaria, que gosta mais de acompanhar?
Coelho: Todas elas, mas tenho que confessar que há um carinho maior pela Segurança Pública. Mas eu entendo que a Educação é muito importante. Ela tem um aspecto direto na Segurança Pública. Saúde da mesma forma, assim como a iluminação pública, a mobilidades urbana e mudanças viárias. Tudo acaba refletindo na Segurança Pública. Tenho utilizado a experiência que construí junto à Polícia Militar para articular e orientar todas a secretarias, não dando ordem, mas oferecendo sugestões aos responsáveis de cada área e ao prefeito.
"Tenho que confessar que há um carinho maior pela Segurança Pública. Mas eu entendo que a Educação é muito importante. Todas elas são muito importante para mim", Nelson Coelho
JJ: E esta parceria com o prefeito, como é?
Coelho: É aberta, franca e muito tranquila. Tenho acompanhado o prefeito em uma série de reuniões e eventos. Vejo como ele cobra as ações dos secretários, como ele pensa tal secretaria, para quando ele precisar, poder contar comigo. Temos um diálogo muito aberto, somos parceiros de trabalho e tenho aprendido muito com ele.
JJ: Como você avalia o governo? Estão conseguindo colocar em prática os planos propostos durante a campanha eleitoral?
Coelho: Fizemos promessas de campanha e a busca do governo é cumpri-las. Temos trabalhado para isso. Uma que tenho como meta, e ainda não conseguimos cumprir, é a questão da ampliação da Guarda Municipal. Mas ela está fortalecida e consolidada junto à população, principalmente por não desvirtuar a função dela, que é estar em nossas escolas, protegendo os alunos e o patrimônio. Na Educação, nossa equipe tem conseguido manter e melhorar a qualidade do ensino, com a formação constante do professor e envolvimento da comunidade. A saúde também avançou. Neste pouco mais de um ano, quatro postos de saúde receberam alvará. Quando o Udo assumiu, em 2013, nenhum tinha a licença para funcionar. E isso quer dizer o que? Quer dizer que o posto de saúde está adequado, completo, seguro e acessível à população.
JJ: Este ano tem eleição, o senhor não quis se candidatar a outro cargo?
Coelho: Confesso que fui assediado por alguns partidos que fizeram convites para que eu concorresse, mas entendo que ainda não é o momento para isto. Hoje meu compromisso é com Joinville. Compromisso em cumprir nossas promessas de campanha. Temos dois anos para ajudar a construir uma cidade melhor, e fazer com que as pessoas compreendam porque que a gestão vem sendo feita desta forma e as prioridades do governo. Minha esperança é que o eleitor e a cidade possam amadurecer muito com este novo perfil de gerenciar a Joinville. Quero contribuir para isso junto ao nosso prefeito. Contem sempre comigo!