Luciano Hang, dono das lojas Havan, desistiu da recorrer da condenação de R$ 2.000 do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por propaganda eleitoral irregular em favor de Jair Bolsonaro. O motivo da desistência é que ele não quer arcar com os custos da viagem à Brasília.

“Por economia processual —porque sairia mais caro ir a Brasília— desistimos do recurso em plenário e resolvemos pagar os 2 mil”, afirma a assessoria de imprensa do empresário em nota nesta quinta-feira (19).

A fortuna de Hang, segundo ranking da revista Forbes deste ano, é de US$ 2,2 bilhões.

Nesta quarta-feira (18), o ministro Sérgio Banhos determinou o cumprimento de uma condenação de julho, após a desistência de recurso da defesa de Hang.

O empresário gravou um vídeo durante o processo eleitoral de 2018 em apoio ao então candidato e hoje presidente dentro de uma loja da Havan e divulgou no Facebook.

O local é considerado "bem de uso comum", onde, segundo a decisão, é proibida a realização de propaganda eleitoral.

A ação foi proposta pela coligação Para Unir o Brasil, do então candidato Geraldo Alckmin (PSDB).

Na nota, a assessoria afirma que Hang "jamais fez propaganda irregular para o presidente Jair Bolsonaro" e "apenas manifestou a sua opinião legítima de apoio ao presidente, o que é assegurado constitucionalmente".

*Informações Gaúcha ZH

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger