O julgamento do primeiro pedido de impeachment do governador afastado Carlos Moisés da Silva (PSL) deve acontecer até o final de novembro. A definição da data deve ser anunciada até a próxima terça-feira (10) pelo presidente do Tribunal Especial de Julgamento, desembargador Ricardo Roesler.

O magistrado indeferiu o pedido para depoimentos de todas as testemunhas arroladas pelo autor do primeiro impeachment, o defensor público Ralf Zimmer Junior. Além disso, rejeitou as provas requeridas por Zimmer e deu prazo de cinco dias corridos para a manifestação de Zimmer.

Desta forma, Roesler acelerou o processo e, por projeção, o julgamento sobre o futuro de Moisés à frente do comando do governo de SC deverá acontecer entre os dias 20 ou 27 de novembro.

Entenda acusação

  • Apresentada pelo defensor público Ralf Zimmer Júnior, a denuncia atingiu inicialmente o governador Carlos Moisés; a vice, Daniela Reinehr, e o ex-secretário de administração, Jorge Tasca.
  • Como Tasca pediu exoneração, foi retirado do processo. Daniela foi inocentada ainda na fase de análise dentro da Alesc.
  • A acusação é de crime de responsabilidade ao conceder reajuste salarial dos procuradores do Estado, em outubro de 2019, visando à equiparação com os salários dos procuradores da Alesc.
  • Zimmer Júnior argumenta que o reajuste foi concedido de forma ilegal, sem autorização legislativa, por meio de procedimento administrativo sigiloso.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp