Por causa do enfraquecimento do movimento dos caminhoneiros, desde o fim da semana passada, a Justiça Federal deu prazo de cinco dias ao município de Jaraguá do Sul para se manifestar sobre a necessidade ou não da medida liminar pleiteada pelo governo na quarta-feira (30 de maio).

Ainda na madrugada desta segunda-feira uma nova tentativa de retomada de piquete em frente ao antigo Posto Guaramirim, na BR-280, foi abortada depois da presença de policiais rodoviários federais e militares alertando que os manifestantes não poderiam interromper a pista, sob pena de multas.

Segundo explica o procurador-geral do município, Benedito Carlos Noronha, antes de tomar sua decisão sobre a ação e o pedido de liminar ingressado pelo município, a Justiça Federal orientou que a administração municipal levantasse a necessidade da liminar, caso novos pontos de bloqueios de rodovias ou novas paralisações fossem registrados na região.

Comitê monitora a situação

A Procuradoria solicitou ao comitê de gestão de crise para continuar monitorando a situação. Caso haja novos movimentos, estes deverão ser informados pelo município, especificamente. Na ação, explica Noronha, o município solicitou o desbloqueio de maneira geral das rodovias, principalmente a BR-280 e a BR-101.

Caso novos pontos surjam, a Justiça Federal pede para que sejam informados os locais pontualmente, até mesmo para a melhor destinação de apoio e recursos, informa o procurador. O prazo de cinco dias vence na próxima segunda-feira (11), quando o município irá se manifestar novamente à Justiça, dentro da ação em trâmite.

O governo entrou com um pedido de liminar na Justiça no último dia 30 de maio, requerendo o desbloqueio de pontos de paralisação próximos de Jaraguá do Sul, sob o argumento que os mesmos afetavam o abastecimento da cidade. No pedido, a procuradoria solicitava o apoio das Forças Armadas para garantir a liberação dos bloqueios.