A CPI da Pandemia aprovou nesta quarta-feira (26) a convocação do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) e da vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido), atendendo a requerimento do senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO).

A motivação da convocação tem a ver com a compra dos 200 respiradores em março do ano passado, pagos antecipadamente por R$ 33 milhões, sem que os equipamentos tivessem chegado ao Estado e apenas R$ 11 milhões fossem recuperados.

Esta operação provocou a instauração da CPI dos Respiradores na Alesc, que culminou no processo de impeachment contra Moisés. O governador não recebeu votos suficientes para o afastamento e voltou ao cargo.

 

Pazuello reconvocado

A CPI da Pandemia também aprovou a reconvocação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga. Os depoimentos ainda serão agendados.

O retorno de Pazuello vem após a participação do general em ato público em favor do presidente Jair Bolsonaro no domingo (23), no Rio de Janeiro, e depois do depoimento, nesta terça-feira (25), da secretária do Ministério da Saúde Mayra Pinheiro, que contrariou o que Pazuello afirmou na semana passada sobre a crise provocada pela covid-19 no Amazonas.

Aos senadores, Mayra afirmou que o ex-ministro da Saúde soube do desabastecimento de oxigênio em Manaus no dia 8 de janeiro. À CPI, Pazuello afirmou que foi informado apenas na noite do dia 10 de janeiro.

Depois do depoimento de Pazuello em dois dias consecutivos (19 e 20 de maio), alguns senadores avaliaram que o ex-ministro mentiu e precisa dar novos esclarecimentos. Humberto Costa (PT-PE), Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) assinam os requerimentos:

 

Fonte: Agência Senado