A Câmara de Jaraguá do Sul deve romper o período de recesso nas próximas semanas. O Legislativo precisa avaliar novamente, antes do próximo dia 30, o projeto de financiamento de R$ 8 milhões para pavimentação e modernização da administração, rejeitado pela bancada da oposição na penúltima sessão do ano passado. O prazo garante a obtenção do recurso. Com a repercussão negativa do resultado da votação, os vereadores contrários – Arlindo Rincos (PP), Jair Pedri (PSDB), Jeferson de Oliveira (PSDB), João Fiamoncini (PT) e Jocimar de Lima (PSDC) – devem reavaliar o posicionamento. O montante seria destinado a Jaraguá do Sul pelo programa do governo federal BRDE Municípios. Seriam R$ 5 milhões para a pavimentação de ruas e outros R$ 3 milhões para aplicação no Programa de Modernização da Administração Tributária (PMAT). Fiamoncini afirmou que está mediando o contato dos vereadores com a administração municipal para “chegar a um entendimento”. “Estamos tirando algumas dúvidas. O que os vereadores querem são os nomes das ruas para ter uma justificativa desse investimento”, aponta. Jeferson de Oliveira ainda não tinha conhecimento do retorno do projeto à Casa e contestou a votação conjunta das duas destinações. Entretanto, o chefe de gabinete da Prefeitura, Ademar Possamai, explica que há relação entre as duas linhas de crédito. “O projeto é o padrão da Secretaria do Tesouro Nacional, mudamos a justificativa para os vereadores entenderam a vinculação do PMAT com o recurso para infraestrutura”, destacou. Por causa da aquisição de recursos para o programa de modernização, no valor de R$ 3 milhões, explica Possamai, o BRDE liberou um acréscimo para projetos de infraestrutura. Assim, o financiamento para pavimentação, que era de R$ 2 milhões, aumentou para R$ 5 milhões. O presidente da Câmara, José de Ávila (SDD), que não esteve presente na votação em dezembro, aponta que o projeto precisa ser analisado sob o ponto de vista dos anseios da comunidade. “Não depende só de eu aprovar, peguei o projeto pela manhã e vamos ler de forma criteriosa”, disse.