O médico neurologista Vicente Augusto Caropreso (PSDB) iniciou sua carreira política em 1996, quando foi eleito vereador em Jaraguá do Sul. De lá para cá, foi deputado federal, secretário de Estado da Saúde e, nas eleições deste ano, se reelegeu para o terceiro mandato como deputado estadual, recebendo 39.797 votos em 220 municípios - 18 cidades a mais do que quando foi candidato vitorioso ao cargo na eleição de 2018. Acompanhe a entrevista:

Qual a sua avaliação do pleito de 2 de outubro? O senhor chegou a se surpreender com algum resultado?

Já imaginava que seria uma eleição bastante dura, principalmente pela verticalização da eleição presidencial e do excesso de candidaturas para deputados. Afinal, com a mudança na Lei Eleitoral impedindo coligações, os partidos tiveram que lançar, cada um por si, o máximo possível de candidaturas. Aqui na região foi muito ruim. Teve partido que lançou dois candidatos cada. Além disso, o ex-prefeito Antídio Lunelli, que fez enorme exposição na mídia em nível de estado, viria com toda força, o que realmente aconteceu. Mas, sobrevivi. Nosso mandato tem concentrado ações em prol dos municípios da região da Amvali, Planalto Norte e Litoral, mas nossa defesa, nossos projetos e movimentos para fortalecer a saúde da população, os hospitais do SUS e na defesa dos direitos da pessoa com deficiência projetam nosso nome para todas a regiões do Estado e isso se refletiu em votos em mais de dois terços dos municípios catarinenses. É motivo de orgulho, é trabalho reconhecido.

Foto: Divulgação

Quais são seus planos para este terceiro mandato na Alesc?

Neste novo mandato, seguirei sendo o único médico deputado estadual em Santa Catarina e a saúde continuará sendo o carro-chefe. Inclusive, com relação aos assuntos da saúde que não são de responsabilidade do Estado, vamos fazer com que a Assembleia Legislativa seja o centro dos debates e sirva de ponte para as soluções. A falta de medicamentos de distribuição gratuita, cirurgias eletivas, acesso a consultas e exames de especialidades, tudo preocupa. Está muito difícil o acesso, demora demais, e esta situação não pode continuar. As pessoas pedem. E vou continuar na luta pela defesa dos direitos das pessoas com deficiências, aprimorando ou propondo leis nesse sentindo e também para a quebra de qualquer preconceito contra as pessoas com deficiência. Por fim, vou seguir cobrando melhorias na infraestrutura, principalmente rodoviária, em Santa Catarina. No atual mandato, conseguimos a duplicação da BR-280 no trecho estadualizado, entre Guaramirim e Jaraguá do Sul, e a revitalização da SC-110, entre Jaraguá do Sul e Pomerode. Precisamos seguir clamando pela revitalização completa da SC-108 entre Guaramirim e Massaranduba. Neste novo mandato, quero ter um olhar todo especial para a cultura, o turismo e o esporte, em parceria com os municípios. Pretendo realizar um mandato com mais parcerias, mais alegre, voltado também às coisas simples da vida dos cidadãos. Neste último mandato trabalhei demais, mas sei que muita coisa tem que 'ficar em cima', como a questão dos hospitais da região e das obras nas rodovias. Por fim, termos elegido quatro representantes pode ser, e deve ser, uma boa vantagem para nossa região, mas isto o tempo dirá.

O que o senhor considera que seja hoje a principal prioridade de Santa Catarina e, especificamente, da região da Amvali?

Saúde e infraestrutura. Não foi em um, mas em vários momentos desta campanha que, até por ser médico, fui abordado por eleitores que, com razão, reclamaram da saúde, e não estamos falando de procedimentos complexos, mas principalmente da saúde básica. E daí, nessas horas, o que menos interessa é descobrir se a falha é de Brasília, de Florianópolis ou do Município, pois o cidadão e contribuinte quer a solução o quanto antes. Santa Catarina é um dos estados brasileiros que mais empreende e que nas últimas décadas vem recebendo gente de todas as regiões brasileiras, por isso cresce mais e precisa de infraestrutura e também de desenvolvimento econômico. Leis que estimulem e facilitem os negócios e para que possamos reduzir e controlar as contas públicas, terão vez especial.

Quem o senhor apoia neste segundo turno das eleições para o governo de Santa Catarina e a presidência da República?

Quero ser coerente com a campanha que realizei no primeiro turno, em que apoiei Amin e Bolsonaro. O segundo turno abre marcado por uma determinante preferência dos catarinenses por Jorginho Mello e Bolsonaro, que parecem ser a melhor opção. Agora, deixo claro que vou apostar todas as fichas em quem defenda a democracia, pois sou socialdemocrata. Este é o pilar, o esteio de um povo e de um país. Não é questão partidária, é questão de sermos livres. Podermos pensar e falar. Estarmos dentro da Lei.