Entidades catarinenses manifestaram apoio à intenção do governador Carlos Moisés (PSL) de aplicar recursos estaduais para acelerar a obra de duplicação da BR-470, entre Navegantes e Indaial, no Vale do Itajaí. Recentemente, a proposta foi apresentada ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. A rodovia é um dos principais canais de escoamento de cargas para os portos de Itajaí e Navegantes e um indutor importante de desenvolvimento da economia.

A proposta ocorre em um momento que o Governo do Estado vislumbra os resultados do esforço e verba investidos em rodovias estaduais, como é o caso da já entregue duplicação da rodovia Antônio Heil (SC-486), que liga Brusque a Itajaí. Segundo o secretário estadual da Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Vieira, a iniciativa não impede o trabalho que tem sido realizado.

 

“O trecho da SC-412 (rodovia Jorge Lacerda), entre Gaspar e Itajaí, é mais um exemplo de obras em rodovias estaduais que estão em andamento e próximas da conclusão, e queremos retomar ainda neste ano as obras da SC-108, o prolongamento da Via Expressa de Blumenau”, destacou.

 

O presidente da Associação Empresarial de Blumenau (ACIB), Avelino Lombardi, enalteceu a atitude e a necessidade do apoio dos deputados e senadores catarinenses. "É importante e fundamental haver essa sinergia entre os poderes. São atitudes como essa que, se efetivadas, demonstram que essa sintonia começa a existir. Com isso, a grande beneficiada é a sociedade como um todo”, apontou Lombardi.

De acordo com o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio SC), Bruno Breithaupt, o movimento do Governo do Estado é essencial, dada a importância econômica da BR-470.

 

"É premente a aceleração dessa importante obra para o desenvolvimento econômico de Santa Catarina. Entendemos que o aporte do Estado seja feito atrelado a contrapartidas de investimentos futuros do Governo Federal, com a garantia de finalização da obra no tempo previsto", avaliou Breithaupt.

 

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar Aguiar, o acordo deve ser uma via de mão dupla. "O governador cumpre sua missão de resolver as demandas de Santa Catarina, independentemente se são obras estaduais ou federais. Mas no caso desta obra deve haver uma contrapartida do Governo Federal. Como sugestão fazer uma negociação da dívida que Santa Catarina tem com a União, compensando o Estado nessa antecipação de recursos”, indicou Aguiar.

Ari Rabaiolli, presidente da Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística no Estado de Santa Catarina (Fetrancesc), afirmou que a situação precária de rotas comerciais compromete o setor produtivo, o que reflete no preço dos produtos que chegam ao consumidor final.

 

“Especificamente em relação à BR-470, principal rota de escoamento do agronegócio destinada à exportação, é razão de preocupação. Já hoje temos um trecho de Indaial a Navegantes em duplicação, mas ainda com boa parte sem uma solução, no trecho até a região Oeste. É neste sentido que o Governo Federal deve e nós precisamos que seja acelerada a duplicação. Depois disso, conforme ocorreu na 101, uma concessão pode ser uma boa alternativa”, acrescentou.

 

O governador informou que o modelo ainda está sendo estudado e será debatido também com a bancada federal de Santa Catarina, tanto na Câmara quanto no Senado. A duplicação da BR-470 contempla 73,2 quilômetros, divididos em quatro lotes de obras, entre Navegantes e Indaial. Até o momento, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) liberou ao tráfego cerca de 27 quilômetros de pistas duplicadas.