Em entrevista a BBC, ministro de Lula defende legalização de drogas

Brasília (DF) – 14/02/2023 - O ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, dá posse aos novos integrantes do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) para o biênio 2023-2024. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.

Por: Pedro Leal

07/03/2023 - 16:03 - Atualizada em: 07/03/2023 - 16:40

O Ministro dos Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida, defendeu que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue uma ação que está parada desde 2015 que analisa a descriminalização das drogas.

Em entrevista para a BBC News Brasil, nesta segunda-feira (6), Almeida disse ser favorável à descriminalização das drogas e afirmou acreditar que ela poderia diminuir a pressão sobre o sistema carcerário brasileiro.

Dados de junho de 2022 (os mais recentes) mostram que a população carcerária do Brasil é de aproximadamente 837 mil pessoas, segundo o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), feito pelo Ministério da Justiça.

Para ele, a questão das drogas há de ser tratada como uma questão de saúde pública e não como uma questão de segurança. “Temos que tratar isso como uma questão de saúde pública, como uma questão que não se resolve por meio do encarceramento, com prisão e com punição”, disse.

Isso aconteceria porque estudos indicam que a atual lei de drogas gerou uma “explosão” no número de pessoas presas por crimes relacionados ao tráfico de drogas.

Questionado se seria a favor da legalização das drogas, o ministro afirmou: “Sou a favor. A guerra às drogas é um prejuízo mortal. Ela (a guerra) é muito pior do que qualquer outro efeito que se possa pensar. Nós temos que pensar seriamente nisso, com responsabilidade, com cuidado. Mas eu acho que a guerra às drogas, a forma com que se combate às drogas, causa um prejuízo irreparável na sociedade brasileira”.

Apesar de se mostrar favorável à descriminalização das drogas, Almeida afirmou que o governo não estaria se movimentando para que o Supremo julgue o caso.

O ministro também afirmou que o governo trabalha para criar um estatuto para vítimas de violência que incluiria policiais, numa resposta à crítica de que a chamada “turma dos direitos humanos” defenderia apenas criminosos.

Outro ponto da pauta foram os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade (CNV). Almeida defendeu a criação de uma comissão para avaliar se o Estado brasileiro seguiu as recomendações da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que apurou violações de direitos humanos durante o governo militar.

Almeida defendeu a posição do do governo brasileiro de se abster e não assinar uma declaração de mais de 50 países condenado violações de direitos humanos ocorridas na Nicarágua, país comandado por Daniel Ortega.

Segundo Almeida, ao não assinar a declaração, o Brasil não estaria se omitindo ou sendo leniente com o regime nicaraguense, mas mantendo canais de diálogo abertos para tentar encontrar alternativas. “O Brasil nunca teve e não tem leniência em relação a isso”, disse o ministro.

Ele também se posicionou favorável à descriminalização do aborto, outro tema pendente de julgamento no STF, afirmando que não cabe a homens julgar a questão. “Chega de homens dando opinião sobre a vida, sobre o corpo e sobre a saúde das mulheres […] sou a favor de que elas (mulheres) decidam”, disse.