Em áudio divulgado pelo Metropoles, André Janones cobra “rachadinha” de assessores

Paulo Sergio/Câmara dos Deputados

Por: Pedro Leal

27/11/2023 - 09:11 - Atualizada em: 27/11/2023 - 09:28

O deputado federal André Janones teria cobrado que assessores da Câmara lotados em seu gabinete usassem parte dos salários para pagar suas despesas pessoais.

O caso foi revelado pela coluna de Paulo Capelli, no Metropoles.

Conhecida como rachadinha, a prática configura enriquecimento ilícito, dano ao patrimônio público e é passível de inelegibilidade segundo entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Sem saber que estava sendo gravado, Janones descreveu como pretendia gastar a grana oriunda da remuneração de servidores públicos: “Casa, carro, poupança e previdência”, revelou, em áudio obtido pela coluna de Capelli.

O deputado recebeu 238 mil votos e foi o segundo parlamentar mais votado de Minas Gerais em 2022.

A reunião com assessores teria ocorrido na própria Câmara dos Deputados, na sala de reuniões do Avante, partido de Janones. No aúdio, Janones afirma que não seria “justo” que seus assessores mantivessem 100% dos seus salários e que eles teriam o dever de “recompor” as suas perdas de campanha.

Em 2016, Janones foi candidato a prefeito da cidade mineira de Ituiutaba e ficou em segundo lugar, com 13 mil votos.

Ao mesmo tempo que tentava dar ares de legalidade à rachadinha, Janones demonstrou saber que a revelação da prática poderia pôr em risco o seu mandato como deputado federal. Em sua fala, o parlamentar buscou passar a impressão de que pouco se importaria caso fosse denunciado.

“E se eu tiver que ser colocado contra a parede, eu não tô fazendo nenhuma questão desse mandato. Para mim, renunciar hoje seria uma coisa tão natural. Se amanhã vier uma decisão da Justiça: ‘o André perdeu o mandato’, você sabe o que é eu não me entristecer um milímetro?”, disse, numa tentativa de desmobilizar qualquer tentativa de a equipe de denunciar.

O áudio foi gravado pelo jornalista Cefas Luiz, ex-assessor de Janones, em fevereiro de 2019, após o parlamentar se eleger pela primeira vez