Com a compreensão de que a sociedade civil organizada tem o direito e o dever de se manifestar contribuindo para a evolução do processo político, as entidades do Centro Empresarial de Jaraguá do Sul (Cejas) apresentam na plenária da próxima segunda-feira, dia 18, o posicionamento do setor produtivo de Jaraguá do Sul em relação às eleições deste ano. Durante a plenária, com início às 18 horas, aberta a toda a comunidade, a Acijs (Associação Empresarial de Jaraguá do Sul), Apevi (Associação das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedor Individual do Vale do Itapocu), CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) e os sindicatos patronais - farão a exposição das sugestões do setor aos partidos políticos e também aos pré-candidatos a prefeito, vice e vereador do município. O presidente do Cejas e da Acijs, Giuliano Donini, irá apresentar também o conceito de ação na comunidade, com o objetivo de conscientizar os eleitores para o próximo pleito, em outubro. Para Donini, o entendimento das entidades do Cejas é de que a sociedade civil organizada tem o direito e o dever de se manifestar com o propósito de oferecer contribuições para a evolução do processo político, assegurando que sejam eleitos representantes com capacidade para cumprirem o devido papel na gestão pública. O envolvimento das entidades do setor produtivo nas discussões eleitorais se justifica, ainda na visão do presidente, pelo fato de estas instituições representarem parcela significativa da sociedade que contribui para o desenvolvimento econômico e social do município, “e estão cientes da responsabilidade em buscar um modelo de gestão de qualidade e eficiência”, acrescentou Donini. O presidente ressalta que há entendimento, pelas entidades, em relação às diferenças existentes entre a atividade pública e a privada, mas pondera que é necessária a percepção de que “em qualquer processo de gestão há uma lógica a ser considerada no sentido de melhoria de indicadores, de administração dos recursos e de atendimento às demandas existentes”, pontuou. Quanto à ação de conscientização do eleitor, Donini explicou que não será um trabalho que irá avaliar diretamente o comportamento do eleitor, mas a percepção que a sociedade tem quanto ao atual momento do país. O propósito é auxiliar na motivação ao voto consciente, “para que as escolhas valorizem a qualidade da representação que o município merece”, destacou o presidente. Ele reforça que a ação visa contribuir com a evolução do processo eleitoral, mas considera que tal intenção também irá depender do nível das candidaturas apresentadas aos eleitores. “Em qualquer processo de gestão há uma lógica a ser considerada no sentido de melhoria de indicadores, de administração dos recursos e de atendimento às demandas existentes”, presidente da Acijs, Giuliano Donini.