Após a vitória no segundo turno das eleições, nesta noite (30), o governador eleito de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL) concedeu entrevista coletiva e falou sobre a votação, sobre a eleição federal e os primeiros passos para próximo chefe do Executivo estadual.

"Fiz uma grande eleição, uma eleição que vou honrar cada voto. Tudo que falei na eleição com 43 segundos, tive que fazer uma mensagem precisa, cirúrgica, porque estávamos com chapa pura. Depois melhorou e no programa com 5 minutos conseguimos mostrar nossas propostas. É um projeto vitorioso construído por muitas mãos, Onze deputados estaduais, seis federais, todos um melhor que o outro, um senador, só faltou eleger o capitão. Sou sincero em dizer que a vitória não está completa, mas é um momento de reflexão, que vamos ter que refletir, continuar firme e forte com a bandeira hasteada. Nossa responsabilidade é muito grande agora, para fazer a continuidade desse trabalho que vínhamos fazendo em favor do Brasil, da liberdade, da honestidade, da preservação da família", disse Jorginho.

Mello também respondeu sobre como governará Santa Catarina com Lula na presidência.

"A gente tem que deixar as coisas se acalmarem um pouco, depois nós temos que reunir nosso time, para fazer o relacionamento que Santa Catarina sempre precisou e sempre vai precisar do governo federal. Então vamos fazer um governo inteligente, nosso relacionamento será respeitoso", disse Jorginho. "Claro que muda [sem o presidente Bolsonaro], eu sou da cozinha dele, da casa dele, nossa relação é muito boa, sou amigo de todos os ministros, iria destravar tantos projetos e obras urgentes que SC precisa, agora temos que reavaliar, mas será de forma serena e responsável".

Sobre a composição do seu governo, Jorginho foi firme e disse que não falará de nomes até o dia primeiro de dezembro. Jorginho disse que entrará em contato com o atual governador, Carlos Moisés, nesta segunda-feira (31), para indicar pessoas para a transição.

Jorginho ainda disse que recebeu telefonema do adversário nestas eleições, deputado federal Décio Lima (PT). "Me cumprimentando de forma grandiosa, agora há pouco. E a política é assim, é feita de disputas, mas de momentos de respeito mútuo.

Mello disse que ainda não havia falado com o presidente Bolsonaro.

Vice "atuante"

A ex-delegada regional de Joinville, Marilisa Boehm, a próxima vice-governadora de Santa Catarina, também se manifestou.

“A nossa prioridade é a saúde porque um povo saudável trabalha, rende, praticamente faz o governo sozinho. A minha missão é cuidar das pessoas e farei essa dupla com o Jorginho para cuidar das pessoas. Nada de descanso, agora temos uma luta pelo povo catarinense”, disse.

Assim como Jorginho, ela também lamentou que Bolsonaro não foi reeleito e disse que será vice atuante.

“Estou muito feliz por essa conquista porque trabalhamos muito, os projetos, o plano de governo do Jorginho é maravilhoso e com certeza nós vamos cumprir tudo que está no nosso plano de governo. Quero contar muito com o povo e agradecer muito do fundo do meu coração por essa receptividade, carinho de todos os catarinenses. Eu vou trabalhar muito, dar o meu melhor, estar sempre ao lado do Jorginho para ajudá-lo no que for necessário. Serei uma vice atuante. Estamos festejando a nossa vitória, mas ela não foi completa. Vamos precisar da força do nosso povo. Podem ter certeza que eu darei a minha vida se necessário pelo nosso povo”, falou.

Marilisa também reafirmou seu compromisso com Joinville.

“Nós vamos trazer muitos recursos para a cidade, vamos fazer parceria. O Jorginho já se comprometeu com o Hospital São José, custeando uma parte da folha de pagamento”, garantiu.

Jorginho Mello e Marilisa viajam para Florianópolis nesta segunda-feira (31) para Florianópolis.