Neste domingo (28), os eleitores brasileiros são chamados novamente para participar das eleições, no segundo turno que irá decidir quem será o próximo presidente da República e outros 13 governadores de estados, incluindo Santa Catarina.

No estado, a disputa será entre o deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Gelson Merisio (PSD), e o bombeiro da reserva e ex-coordenador regional da Defesa Civil, Comandante Moisés (PSL).

Veja a seguir o perfil dos candidatos ao governo de Santa Catarina:

Comandante Moisés (PSL) – 17

Moisés tem 51 anos e é natural da Capital catarinense. É casado com Késia Martins, com que tem duas filhas, Raíssa e Sarah. Formado em direito pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), foi professor de direito administrativo e constitucional pela universidade. Atualmente, é advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Foto Divulgação

Em 1990, concluiu o curso de Formação de Oficiais da Academia da Polícia Militar e passou a atuar no Corpo de Bombeiros, trabalhando nas cidades de Florianópolis, Criciúma e Tubarão, em sua maior parte como comandante do quartel. Depois, trabalhou como coordenador regional da Defesa Civil e desde 2016 é bombeiro da reserva.

Em março deste ano, ele recebeu um convite do presidente do PSL em Santa Catarina, Lucas Esmeraldino, para ingressar no partido em formação.

Por compartilhar ideias semelhantes às de Jair Bolsonaro, passou a fazer parte da Executiva Estadual da sigla no Estado. E no mesmo mês deu o passo inicial para a candidatura ao governo do Estado.

Vice: Daniela Reinehr (PSL).

Gelson Merísio (PSD) – 55

Merisio tem 52 anos e é natural de Xaxim, cidade do Oeste catarinense. É casado com Márcia Merisio, com quem tem dois filhos, Arthur e Nicole. Iniciou sua trajetória na política aos 22 anos, quando foi eleito vereador em Xanxerê, com a maior votação daquele pleito.

Foto Divugação

Nos dois últimos dois anos do seu primeiro mandato na Câmara, foi o presidente do Legislativo municipal e também da Associação Comercial e Industrial de Xanxerê (Acix).

Atual presidente estadual do PSD, Merisio foi eleito por três vezes deputado estadual e uma vez assumiu como suplente. Em 2010, assumiu a presidência da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), ficando até 2011.

Presidiu também a Alesc em 2012 e 2016. Esta é a primeira vez que concorre ao governo do Estado.

O PSDista é formado em administração de empresas e por dois mandatos comandou a Federação das Associações Comerciais e Indústrias de Santa Catarina (Facisc).

Ele também foi presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/SC, vice-presidente da Confederação das Associações Comerciais do Brasil (CACB) e esteve à frente da direção financeira da Casan.

Vice: João Paulo Kleinübing (DEM).

Disputa presidencial

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) que ficou em primeiro lugar no primeiro turno do pleito concorre neste domingo com o professor e ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), o segundo colocado no primeiro turno.

Veja a seguir o perfil dos candidatos à presidência:

Fernando Haddad (PT) – 13

Natural de São Paulo (SP), Fernando Haddad, 55 anos, é o candidato da coligação PT, PCdoB e PROS. É professor de ciência política da Universidade de São Paulo (USP), mesma instituição onde estudou Direito na graduação, Economia no mestrado e Filosofia no doutorado.

Foto Divulgação

No começo da disputa, Haddad era o vice na chapa encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com o indeferimento da candidatura de Lula, pela Justiça Eleitoral, Haddad assumiu a posição de candidato a presidente da coligação.

Foi subsecretário de Finanças e Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de São Paulo. Integrou o Ministério do Planejamento no governo Lula.

Em julho de 2005, assumiu o Ministério da Educação, onde ficou até janeiro de 2012, ano em que foi eleito prefeito de São Paulo.

Vice: Manuela D'ávila (PCdoB).

Jair Bolsonaro (PSL) – 17

Nascido em Campinas (SP), Jair Bolsonaro, 63 anos, é o candidato da coligação PSL e PRTB, contando também com o apoio dos defensores da monarquia. Militar, Bolsonaro está em seu sétimo mandato como deputado federal, com uma carreira de 27 anos ininterruptos no Congresso Nacional.

Foto Divulgação

Nas eleições de 2014, foi o candidato a deputado federal mais votado no Rio de Janeiro, com mais de 464 mil votos. Casado três vezes, tem cinco filhos, dos quais três estão na vida política.

Capitão da reserva do Exército, filiou-se ao PSL, seu nono partido, para disputar a eleição presidencial. Bolsonaro construiu carreira política no Rio de Janeiro.

Vice: General Mourão (PRTB).

O que pode e não pode

Assim como no primeiro turno, a segunda fase da disputa eleitoral tem regras que precisam ser seguidas tanto por candidatos quanto pelos eleitores.

Com o fim da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão nesta sexta-feira (26), apenas estão liberadas no sábado – véspera de eleição -, carreatas, caminhadas, passeatas e distribuição de material gráfico, até às 22h.

O prazo é o mesmo para propaganda eleitoral mediante alto-falantes ou amplificadores de som.

Derramar ou permitir o derrame de material de propaganda em locais de votação ou vias próximas, ainda que na véspera da eleição, é considerado propaganda irregular que sujeita o infrator à limpeza do local ou à multa.

Confira as demais regras para o dia da eleição

Manifestação individual

No dia 28 de outubro será permitida a manifestação individual e silenciosa da preferência do eleitor por partido político, coligação ou candidato.

Dessa forma, o eleitor pode portar bandeira, dístico e adesivo. O uso de camiseta é permitido, desde que não seja distribuída por partidos, coligações ou candidatos.

Aparelhos eletrônicos

É vedado o porte de aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas e filmadoras, equipamentos de radiocomunicação ou qualquer instrumento que possa comprometer o sigilo do voto dentro da cabina de votação.

Em caso de problemas no momento da votação, o presidente da mesa receptora deve ser avisado para que o ocorrido seja registrado em ata, com a descrição da situação. O registro da reclamação em ata pode ser fotografado pelo eleitor.

Aglomeração

Não é permitida a aglomeração de pessoas portando bandeiras, broches, dísticos e adesivos ou com roupas padronizadas, de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem utilização de veículos.

Fiscais

Os fiscais partidários nos trabalhos de votação só podem estar identificados por meio de crachás que constem o nome e sigla do partido ou coligação, estando vedada a padronização do vestuário.

Servidores e mesários

O uso de vestuário ou objeto que contenha qualquer propaganda de partido político, de coligação ou de candidato, por servidores da Justiça Eleitoral, mesários e escrutinadores, no recinto das seções eleitorais e juntas apuradoras também é proibido.

Lei Seca

Assim como no primeiro turno, não haverá Lei Seca em Santa Catarina. Logo, o consumo e venda de bebidas alcoólicas não estão proibidos.

Crimes eleitorais

Configura crime eleitoral no dia das eleições:

  • Realização de carreatas, comícios e utilização de alto-falantes e amplificadores de som;
  • Propaganda de boca de urna em lugares públicos ou abertos ao público;
  • Derrame de material impresso de propaganda;
  • Divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou candidatos, assim como a publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdo na internet, permitida a manutenção de propaganda divulgada anteriormente ao dia da eleição.

Entre as vedações já citadas quanto ao dia das eleições, também estão entre os principais crimes eleitorais, dispostos no Código Eleitoral (Título IV, Cap. II):

  • Uso de violência ou grave ameaça para coagir alguém a votar, ou não votar, em determinado candidato ou partido;
  • Promover, no dia da eleição, com o fim de impedir, embaraçar ou fraudar o exercício do voto, a concentração de eleitores sob qualquer forma, inclusive o fornecimento gratuito de alimento e transporte coletivo;
  • Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita;
  • Causar, propositadamente, dano físico ao equipamento usado na votação ou na totalização de votos ou a suas partes.

Serviço

Horário de votação: Das 8h às 17h (horário local).

Documentos: mesmo com a leitura biométrica, os eleitores devem apresentar um documento oficial com foto.

O título de eleitor é recomendado, mas a não apresentação não impede o eleitor de votar. O aplicativo e-Título pode substituir o documento com foto para os eleitores que já tem biometria.

Falta ao primeiro turno e justificativa: Quem não votou no primeiro turno pode votar no segundo, desde que o título esteja em situação regular. Quem justificou no primeiro turno também precisa justificar no segundo.

Ordem de votação: Os eleitores irão votar primeiro para governador, digitando dois números, e depois para presidente, digitando dois números.

Apuração: A estimativa do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina é que a apuração e totalização dos votos do segundo turno estejam concluídas até às 20h do domingo.

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?