Deputados petistas acusam ministros de Lula: “excesso de poder”

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por: Pedro Leal

29/09/2023 - 12:09 - Atualizada em: 29/09/2023 - 12:54

No momento em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enfrenta pressão do Centrão por mais cargos no governo, sua própria base aliada também está insatisfeita e expressa frustrações.

Áudios divulgados nesta sexta (29), obtidos pelo jornal O Estado de São Paulo, mostram que deputados ligados a grupos como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) criticam o repasse orçamentário para a reforma agrária e a falta de diálogo com os principais ministros do governo, todos do mesmo partido.

As informações são do Estado de São Paulo e da Gazeta do Povo.

As principais críticas se concentram em Alexandre Padilha (Relações Institucionais), Rui Costa (Casa Civil) e Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário). Deputados afirmam que não são atendidos por Rui Costa e pleiteiam buscar Lula diretamente, passando por cima do ministro.

As críticas aos ministros e a condução das políticas do governo teriam sido feitas na última quarta (27), na Câmara dos Deputados, logo após o presidente da CPI do MST, deputado Luciano Zucco (Republicanos-RS), encerrar os trabalhos sem aprovar o relatório final de Ricardo Salles (PL-SP).

Sobre Padilha, há reclamações de que ele ganhou muito poder no governo. O ministério do Desenvolvimento Agrário, comandado por Paulo Teixeira, também é alvo de críticas por falta de humildade.

Em dos áudios, o deputado Dionilso Marcon (PT-RS) destaca a influência de Padilha e o poder que ele adquiriu no governo, afirmando que durante uma reunião com o ministro, “começamos a reunião em três na sala dele e terminamos em 12”. Segundo Marcon, o ministério do Desenvolvimento Agrário precisa ser mais acessível e representativo.

“O ministro é do PT e tem deputado que não vai lá tem cinco meses… Que tem alguma coisa errada, tem. Quem deveria nos representar [no Planalto] é o ministro. Mas se falamos, parece que ele se incomoda. Já que o chefe da Casa Civil não recebe a gente, temos que ir com Lula”, disse Marcon em um dos áudios.

Outro áudio aponta que o repasse orçamentário é praticamente um “discurso contra o governo”. “Não tem como defender a proposta que o governo mandou para a reforma agrária”, disse.

O novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma iniciativa da Casa Civil, também foi alvo de críticas por não atender às necessidades da população mais carente. Os deputados questionam o foco do PAC na classe média.

Segundo a Gazeta doPovo, a base petista se diz “frustrada” e enfrenta dificuldades para representar seus eleitores e avançar em questões como a reforma agrária diante das atuais circunstâncias. Marcon disse que tem recebido ligações de vereadores o “desaforando”.