O deputado estadual Laércio Schuster (PSB) protocolou um pedido de Reclamação no Supremo Tribunal Federal (STF) alegando que o rito do processo de julgamento do impeachment do governador Carlos Moisés (PSL) não foi respeitado pelo presidente do Tribunal Especial de Julgamento, o desembargador Ricardo Roesler.

Schuster alega que Roesler não permitiu que fossem juntadas provas e que o governador e a acusação fossem ouvidos perante o tribunal misto.

 

 

O parlamentar, que foi o último a votar na sessão do dia 26 de março e definiu o placar de 6x4 pela admissibilidade do processo, havia protocolado pedido junto ao TJSC, que acabou indeferido por Roesler, por decurso de prazo.

Laércio Schuster destaca que, diante dos fatos, se Carlos Moisés for afastado em definitivo certamente recorrerá alegando não ter tido amplo direito de defesa e processo pode ser anulado.

O SFT ainda não se pronunciou sobre a demanda do deputado catarinense.