Deputado Daniel Freitas (PL-SC) quer CPI para investigar possível favorecimento do Twitter ao PT

Foto: Divulgação/Assessoria de Imprensa

Por: Elisângela Pezzutti

06/12/2022 - 10:12 - Atualizada em: 06/12/2022 - 10:41

O deputado federal reeleito Daniel Freitas (PL/SC) protocolou na tarde de ontem (5), requerimento para a criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a correlação entre a rede social Twitter e a campanha petista nas eleições de 2022.

O parlamentar está em busca do apoio dos deputados, já que são necessárias 171 assinaturas para que ele possa protocolar o pedido de abertura da CPI à mesa diretora da Câmara. “Estou pedindo o apoio dos meus colegas na Câmara para investigarmos a fundo se o Twitter, tal qual ocorreu nas eleições americanas, favoreceu a campanha da esquerda aqui no Brasil. Creio que todos viram os documentos que Elon Musk trouxe à público. Precisamos tirar isso a limpo. Depois do Radiolão, isso pode ter sido mais um golpe contra o presidente Bolsonaro”, explica Daniel Freitas.

Na semana passada, Elon Musk, CEO do Twitter, trouxe à público evidências de que a rede social auxiliou diretamente na campanha de Joe Biden, bloqueando e censurando perfis pró-Trump e de quem ousasse falar sobre o escandaloso conteúdo do computador do Hunter Biden, seu filho.

No dia seguinte (03/12/2022), o dono da rede social confessou a possibilidade de o Twitter ter favorecido a campanha do PT nestas eleições, afirmando a preferência da plataforma a candidatos de esquerda. “Tenho visto muito tweets preocupantes sobre as recentes eleições no Brasil. Se esses tweets forem precisos, é possível que o pessoal do Twitter tenha dado preferência a candidatos de esquerda”, afirmou Musk em seu perfil.

“Precisamos saber se há relação entre o Twitter e a campanha petista, e constatar se houve o uso indevido, pois isso fere a isonomia entre os candidatos e, consequentemente, a própria democracia. Além disso, já tínhamos plena consciência de que a rede social vinha prejudicando a campanha de Jair Bolsonaro. A declaração de Elon Musk foi a mais evidente prova que, de fato, a rede social vinha censurando diversos perfis pró-Bolsonaro e contra o ex-presidente Lula, que foram ‘derrubados’ durante o pleito eleitoral de 2022 sem qualquer razão ou fundamento”, argumenta o parlamentar.