A confusão aconteceu em uma reunião da Câmara dos Deputados na manhã desta terça-feira (18), que debatia a comercialização de medicamentos feitos à base de cannabis sativa, que origina a maconha.

É possível ver o momento que o clima esquenta no trecho publicado pelo senador Jorge Kajuru, no Instagram:

A discussão começou porque um requerimento do deputado Diego Garcia (Podemos-PR), para adiar a discussão, foi negado.

Paulo Teixeira (PT-SP), presidente da sessão, fez uma votação geral, ou seja, quem concordasse precisava se manifestar. Como não houve manifestações, ele negou o requerimento.

Alguns deputados pediram então a votação nominal, que é quando cada parlamentar precisa incluir seu voto no sistema da Casa e os nomes ficam registrados, assim como o voto do deputado.

Quanto Teixeira negou a votação nominal, os deputados começaram a bater boca. Garcia levantou de seu lugar no plenário, foi até a mesa de Teixeira, empurrou seu computador e começou a confusão.

Os colegas cercaram a mesa da presidência do colegiado. É possível ouvir uma mulher pedindo, várias vezes, que seguranças fossem chamados.

Depois que os ânimos se acalmaram, os congressistas continuaram com a sessão, mas os dois ainda discutiram sobre o acabara e aconteer.

“Esse deputado chegou aqui na frente e me deu um murro no peito“, disse Teixeira.

Garcia negou que tenha agredido o colega e o petista continuou: “Deu um tapa no meu peito. Eu vou pedir o filme, vou pedir o filme. Você me empurrou.”

Garcia rebateu: “Não teve violência!”

Teixeira afirmou que irá fazer uma reclamação no Conselho de Ética da Casa.

A matéria em discussão é o PL 399/2015, que torna possível a comercialização de medicamentos que tenham a Cannabis em sua composição.