Com direito até à banda de música e muita pompa, o governo do Estado de Santa Catarina e a Prefeitura de Florianópolis assinaram a ordem de serviço para início das obras de despoluição da avenida Beira Mar Norte, no centro da capital.
O ato contou com a presença do governador Eduardo Pinho Moreira, do presidente da Casan, Valter José Gallina, e do prefeito Gean Loureiro. A obra conta com investimentos de 17 milhões por parte dos cofres estaduais e prevê o controle dos efluentes conduzidos pela rede de drenagem (que coleta a água das chuvas) em 3,5 quilômetros de praia, da Ponte Hercílio Luz à Ponta do Coral.
O plano de trabalho contempla a instalação de uma Unidade Complementar de Recuperação Ambiental (URA) junto à Estação Elevatória da Casan na Avenida Beira-Mar. A URA vai tratar a água contaminada da rede de drenagem e lançar ao mar efluentes livres de coliformes fecais.
O equipamento terá capacidade de tratar até 13 milhões de litros por dia. “Esperamos que, ainda neste ano, a recuperação ambiental deste, que é um dos lugares mais bonitos do Brasil, seja entregue à população”, explicou o governador.
O prefeito Gean Loureiro destacou que a questão da recuperação ambiental da Beira-Mar Norte era um sonho antigo, do qual muitos não acreditavam. "Agora temos tecnologia, projeto definido, recursos e acompanhamento técnico. Isto traz uma nova perspectiva para Florianópolis, com mais pessoas usufruindo a Beira-Mar e com novas opções para eventos culturais, esportivos e até para uma futura marina na cidade”, destacou o prefeito.
Inicialmente orçado em R$ 24,5 milhões, o consórcio vencedor da licitação (Fast-CFO) apresentou proposta de R$ 17 milhões, valor a ser pago pela CASAN. “Até o próximo verão, a beira mar terá condições de balneabilidade”, garantiu Galina.