O governador do Estado de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), está em Jaraguá do Sul na manhã desta quinta-feira (9) para a assinatura de contrato de R$ 20 milhões entre o Badesc e a Prefeitura de Jaraguá do Sul. O dinheiro deve ser investido no asfaltamento de várias ruas do município - projeto definindo quais serão as vias beneficiadas está em elaboração. A solenidade ocorre no Parque Municipal de Eventos, onde logo mais será dada a largada para a 29ª Schützenfest, a tradicional Festa dos Atiradores, com a sangria do primeiro barril. Mas nada de chope. Colombo revelou que na extensa agenda a cumprir na cidade neste dia conversará com o prefeito Antídio Lunelli (PMDB) também sobre aspectos da segurança pública e fez uma revelação de que enquanto busca soluções para a Saúde do Estado também busca soluções para a sua própria saúde, já que tomou um medicamento forte que provocou dores e problemas nas articulações. "Mas está tudo bem e vai dar tudo certo", revelou ele, antes de destacar que infelizmente não poderá brindar a abertura da Schützenfest com chope, já que está impossibilitado de beber por causa dos antiobióticos. "Nem pensar, nem o cheiro", brincou ele. Na chegada ao Parque de Eventos, ao conversar rapidamente com a imprensa, considerou que a assinatura do convênio de R$ 20 milhões ajuda muito porque permite fazer obras estratégicas que normalmente no caixa mensal não se consegue. "São como um fundo em favor dos municípios, onde a gente investe em torno de R$ 400 milhões. É uma forma de melhorar a infra-estrutura e dar mais segurança às pessoas e agilizar a economia do Estado. Jaraguá é uma cidade que tem potencial enorme e os investimentos com certeza trarão grandes benefícios", destacou. Ele evitou falar de uma possível desimcompatibilização do cargo de governador para uma possível candidatura em 2018 ao Senado, destacando que está focado no momento na administração estadual. "É uma coisa que vou avaliar mais a frente", disse, avaliando que possíveis alianças devem ser só definidas a partir de junho do ano que vem. E lembrou um velho ditado: "Ainda vai correr muita água por baixo desta ponte".